O que é que gostaria de ter uma reddit namorada

Como é morar na Barra da Tijuca - RJ ?

2020.11.17 14:42 Leoujo Como é morar na Barra da Tijuca - RJ ?

Fala ae galera do Reddit! Eu e a minha namorada adoramos conversar sobre onde gostaríamos de morar depois que nos casarmos! Nós amamos demais o Rio, mas infelizmente não temos segurança nenhuma e tudo só parece estar piorando. No entanto, vi que na Barra da Tijuca existem condomínio imensos super bem planejados, então me resta uma esperança de ser seguro morar lá dentro.
Gostaria de saber se alguém (que more em um desses) poderia me confirmar se é tudo isso mesmo ou se a única esperança de ter segurança de verdade é saindo do país e viver uma vida mais simples no subúrbio dos EUA.
submitted by Leoujo to brasil [link] [comments]


2020.10.29 20:03 queijinhos Eu tenho 24 anos e decidi desistir.

É isto, finalmente cheguei a esse ponto. Não consegui emprego nem freela, o dinheiro acabou de vez. A pandemia terminou de levar minha dignidade. Nem no McDonald's consegui uma entrevista - eu tenho Asperger, nunca tive carteira assinada. Ninguém quer me contratar.
Meus pais não podem mais me ajudar. Eu posso ficar aqui, mas eu preciso arrumar um emprego - minha mãe disse. Minha namorada começou a me cobrar o dinheiro que tinha me emprestado e eu tenho 32 reais na minha conta.
Me pego pensando várias vezes ao dia em como eu gostaria de voltar no tempo. Há dois anos, eu tinha um estágio e não tinha dividas. Aí a doença veio, o desemprego, o corona, a humilhação, as contas. Já vendi praticamente tudo o que eu tinha, um pessoal aqui do reddit me ajudou mas ninguém me deu a entrevista que tinham prometido. Eu só realmente queria um emprego. Eu realmente queria viver com dignidade.
É muito difícil ter um transtorno mental, uma doença física, não estar no padrão e ter 24 anos. Viver é isso? Preocupação o tempo todo? Medo de acabar morando na rua? É não conseguir dormir porque se meu pai morrer ou decidir que não vai mais ajudar, eu não vou mais tomar um remédio que me faz ser funcional? É rodar em todas as entrevistas e gastar dinheiro que eu não tenho pra ir nelas? É precisar dizer "tive um problema de saúde e é por isso que meu currículo é vazio, por isso que não terminei a faculdade" toda vez que alguém questiona e receber olhar de pena mas nunca ajuda?
Eu tenho 24 anos. Meus amigos estão casando, tendo filhos, se formando, viajando. Estão em home office, em quarentena porque querem e podem, estão fazendo intercâmbio e me derrotando em todas as entrevistas.
Eu tenho 24 anos. Eu sou bolsista e a minha preocupação é conseguir 300 reais todo mês pra pagar a faculdade e forçar o plano de saúde a não me largar - porque eles não podem fazer isso enquanto eu estudo e moro com meus pais. Minha preocupação é cuidar da minha namorada enquanto ela passa por um câncer de mama e a gente não tem grana pra reconstrução. É ter grana pra pagar 500 cartões de crédito que eu fiz pra pagar outros cartões de crédito e sobreviver. Eu vendi meus livros, meus tênis. Até as muletas.
Eu tenho 24 anos e decidi desistir. Vou deitar na minha cama e esperar a morte vir e o Serasa me cobrar e os meus pais me jogarem pra fora.
submitted by queijinhos to desabafos [link] [comments]


2020.10.24 09:00 jimboFromLA Terminar com a namorada e possivelmente acabar com um noivado alheio

O caso é o seguinte: conheci uma garota há 3 meses e logo começamos a namorar. Ela mora sozinha e com frequência realiza rituais religiosos em sua casa. Até aí tudo bem, o que me incomoda é que sempre vai só um amigo dela e mais 1 ou duas pessoas (homens). Já fui em alguns encontros, mas como sou ateu acabei não curtindo muito. Esse amigo dela está noivo, porém, a sua companheira não sabe desses encontros frequentes (1x por semana no minimo).
A noiva do cara já foi junto visitar ela, e segundo ela, nesse dia ela se vestiu "como uma crente" (roupas compridas), pra que a noiva não ficasse com ciúmes. Detalhe: depois dessa visita, a mulher proibiu elE de continuar fazendo os rituais com ela e tbm excluiu minha namorada das redes sociais.
Um dia eu fui na casa dela enquanto esse amigo estava lá, e ela estava com uma roupa curta (já tivemos conversas sobre isso, ela comentou que já teve relacionamentos abusivos em que os caras não deixavam ela usar biquini, e eu falei que não vejo problema, mas que esse caso especifico me incomoda, pelo fato dos dois estarem sozinhos).
Dei uma stalkeada no perfil dele, e tem uma foto de aniversário de namoro em que a legenda é sobre sinceridade no relacionamento, poder dormir com o celular desbloqueado e a consciência tranquila por não ter nada a esconder. Só que eles combinam pelo Whatsapp os encontros, então suponho que ele apague as mensagens e seja o maior hipócrita.
Já conversei com ela sobre isso. E ela disse que isso é um "processo dele", que ela não tem nada a ver. Pelo que vejo é sempre ela que chama ele para ir lá. Parece que nem liga se isso me incomoda ou não. Eles se conhecem há pelo menos 1 ano, e eu cheguei agora na vida dela. Por isso não me sinto a vontade em "proibir" ela de ver ele. Já falei que me chateia o fato de estar omitindo coisas de alguém.
Não quero parecer o ciumento possessivo, mas isso tá me levando a fazer coisas bizarras, como passar na frente da casa dela um dia que ele foi lá, ver as cortinas fechadas e pensar mil coisas.
RESUMO: minha namorada se encontra com frequência com um amigo que está noivo de uma mulher. Ela mora sozinha e eles se veem lá. Ele esconde esses encontros da noiva, pois ela proibiu ele disso.
Devo terminar e contar de alguma forma pra noiva dele? Pq se eu fosse ela, gostaria que me contassem. Tenho fotos deles dois e prints de conversa que ela diz que ele esteve lá. Já sugeri que façamos algum rolê juntos, pra que todos se conheçam, mas ficou só na palavra do cara.
Nao sou uma pessoa rancorosa, mas vejo essa minha ação como uma vingança contra a hipocrisia religiosa de ambos, que sempre falam sobre verdade, honestidade, amor, etc.
Me desculpem se me alonguei no texto, escrevi na correria e não consegui comprimir as ideias. Me ajudem nessa, redditers. Um bejo e obrigado a quem leu até aqui.
Edit: correção concordâncias e acréscimo de informações.
submitted by jimboFromLA to desabafos [link] [comments]


2020.10.15 11:07 sadstoribro Ajuda para começar um negócio online

Boas malta malta sou um daqueles utilizadores frequentes do reddit que nunca posta nada mas hoje venho até vos com uma questão.
A minha situação:
Eu 24(M) e a minha namorada (23F) vivemos juntos e ja ha algum tempinho que andamos a juntar dinheiro para começar um negócio online. A nossa ideia seria abrir uma loja pequenina com alguns artigos género shopify ou estasy de início em que teriamos opção de pagamento por paypal ou envio a cobrança e depois se conseguíssemos ter lucro migrar para uma empresa a sério com tudo certinho nas finanças.
As minhas questões:
  1. Acham má ideia começar um negócio online meio que por baixo do tapete antes de ter lucros sem declarar nada as finanças e começar a declarar quando os lucros forem substantivos? Ou acham que vou logo meter me em problemas assim?
  2. Eu e a minha namorada estávamos a pensar abrir uma loja de mangas/anime/weeaboo por assim dizer onde vendíamos mangas e merch relacionado com os personagens como action figures roupa e etc. pensamos nisso por não ser um mercado muito explorado em Portugal e pelo nosso amor ao tema. Acham uma boa ideia? Ou o povo português não gosta dessas coisas?
  3. Eu gostaria de manter-me longe do dropshiping e gostava de ter o meu próprio stock para poder ter encomendas enviadas rapidamente e com embalagem personalizada da nossa loja. A minha questão é o que acham melhor, stock físico ou droppshiping? Também pensei em encomendar ao fornecedor a medida que for tendo encomendas mas isso faria o tempo das entregas super alto não? Ou se calhar existem fornecedores deste tipo de coisas em espanha?
  4. Que outro tipo de produto que ja exista acham que teria sucesso em Portugal?
O nosso plano de ação atual seria pegar no dinheiro que temos poupado (não é muito 2-3k) e abrir uma loja online poupando todo dinheiro possível e mandar vir artigos de qualidade de whole salers e depois fazer marketing a loja e pronto é esperar e ver so os produtos vendem. Acham um bom plano de ação? Alteravam alguma coisa? Algum conselho a dar de quem ja tenha experiência nestas águas?
Desde já peço desculpas se faço demasiadas perguntas e a verdade é que tudo isto é informação pela qual já pesquisei mas nunca tive ninguém a responder me diretamente a todas estas questões e a verdade é que eu e a minha namorada somos pessoas muito inseguras porto vim aqui até vos para saber das vossas experiências obrigado.
submitted by sadstoribro to portugal [link] [comments]


2020.10.13 23:22 TyllerZzZ Desabafando a minha adolescência

ola, acabei de entrar nesse reddit, gostaria de compartilhar algumas coisas com vcs.
Bom, eu tenho 17 anos e sou um pouco diferente dos demais adolescentes que pensam apenas em festas, bebibas e mulheres. Sou de poucos amigos, não converso com muita gente, meu whatsapp é super parado, não tenho tantas curtidas mas minha fotos do face ou do insta, na vdd eu não ligo muito pra esse tipo de coisa, adoro jogar e pra ser bem sincero essa é a coisa que eu mais tô fazendo no momento, minha rotina é basicamente, trabalhar e jogar, além das atividades online tbm. Nunca transei e sinceramente não me importo com isso, não me importo com oque as pessoas pensam sobre isso, mas já perdi meu BV (no início desse ano). Quando eu beijei outra boca pela primeira vez eu pensei que a situação iria mudar, eu finalmente iria ter mais amigos, mais garotas iriam querer me conhecer e eu ia mudar completamente, mas n foi bem assim. Enfim, eu realmente não ligo pra curtidas ou views nos status, mas minha mãe acha minha situação preocupante, eu n acho que estou depressivo, é apenas meu jeito, e eu NÃO VOU MUDAR MEU JEITO DE VIVER PRA AGRADAR OUTRAS PESSOAS, mas ao mesmo tempo eu penso em mudar completamente meu jeito, essa frase no meu ponto de vista é um pouco hipócrita, não sei dizer o motivo, mas na minha cabeça faz sentido, Quando eu digo pra outra pessoa que nunca consumi bebidas alcoólicas ou nunca transei, elas ficam em choque, como se fosse uma obrigação de todos fazer isso. Enfim, eu tô compartilhando isso pra saber se eu sou o único adolescente que vive dessa forma, e pedir alguns conselhos, não que eu esteja triste, eu amo a vida q eu tenho, mesmo sem nunca ter tido uma namorada ou nunca ter transado com ninguém, não sou daqueles que fica colocando frases moralistas ou indiretas para outras pessoas nos status, eu não diria que sou isolado, apenas não tenho tanta facilidade quanto outras pessoas de fazer amizades, eu não me acho feito, tenho uma boa alto estima,e sinto triste as vezes por ver outros adolescentes com suas namoradas ou com vários amigos rodeados, mas logo passa, sou meio introvertido. Tenho uma sensibilidade emocional, sou muito sensível, qualquer coisa eu choro pra krl kkkj (apenas uma curiosidade). É isso..
submitted by TyllerZzZ to desabafos [link] [comments]


2020.10.13 17:00 baconpegandofogo Alguém algum dia irá ter medo de me perder?

Hoje me deparei com um post no reddit que dia "Alguém um dia vai ter medo de te perder?" e essa frase ficou na minha cabeça. Venho passando por algumas situações bem difíceis, que vou descrever agora.
Um dia antes da quarentena começar aqui na minha cidade, eu (20H) conheci uma moça (21M) que era interessado já um tempo pois cursavamos a mesma faculdade. Acabou que a gente se falou por muito tempo, ficou bem próximo, basicamente webnamoro por mais que doa falar isso. Contudo em um momento demonstrei uma insegurança em relação ao passado dela (embora em nenhum momento tenha colocado culpa nela ou nada, inclusive deixei claro que era algo que deveria resolver comigo mesmo).
Não deu outra: ela me deixou. Saiu sem explicar muito e foi bem fria e sem empatia mesmo a gente estando próximo. Nunca mais voltou a falar comigo, me excluindo em todas as redes sociais.
Então, os meses passaram, pois aquilo fora apenas no começo da quarentena, e acabei me tornando próximo de uma amiga minha (20M). Próximo mesmo, conversávamos todo dia (principalmente ela mandando mensagem), vendo filme e série juntos, ela me pedia ajuda em coisas da vida dela tipo briga com o pai, fazer o próprio negócio e etc. E bem, era minha ex namorada, a única que já tive. Nosso termino foi há dois anos e os motivos foram imaturidade e minha insegurança. E bem, eu sempre havia tido sentimentos por ela, só escondia por que não dava muito certo e ela se esquivava de qualquer conversa desse tipo .
Uma coisa sobre nosso término é que sempre voltávamos a nos falar, stalkear e afim. Dessa vez eu tomei coragem e disse o que sentia, como gostava e o resultado foi: friendzone 🤡. Continuamos a ser amigos pq ela queria muito continuar a amizade e eu tb até, porém mas nada mudou em mim e parte queria conquista-la novamente, o que é idiota demais, eu sei.
Acabou que percebi que ela se sentia mal eu flerte com ela, através de tweets de uma amiga (17M) com uma conta privada dela (perfil que eu não sigo, logo n vi as mensagens dela mas vi que meu nome tava ali pelas msgs da amiga). Então disse que estava me afastando e que não dava pra continuar a amizade com tudo oq eu sentia, pelo fato de não ver o sentimento por mim mudar e por ser o "chatão", parafraseando a amiga dela. Ela se desculpou, disse que queria falar disso pra mim mas não sabia como, que era só pq se sentia sufocada (e eu entendo mas poxa ela nunca falou comigo). Me afastei dela, faz dois dias, e dei unfollow em um Instagram dela q era voltado pra poucas pessoas mais próximas.
Bem, agora volto a frase que vi no reddit hoje. A primeira moça não se importou em me perder, por mais que tenha me esforçado e doado ao máximo. Minha ex também não vai, mesmo eu também tendo me esforçado e doado ao máximo. Sei que erro e tenho defeitos mas eu tô sempre ali e sinto que esse sentimento só parte de mim. As pessoas sempre vão embora como se eu não significasse nada. Me sinto completamente irrelevante e gostaria de me sentir minimamente importante no quesito amoroso. Isso acaba tanto com minha auto estima que nem sei... Mas sigo mesmo um pouco mais destruído a cada dia que passa.
submitted by baconpegandofogo to desabafos [link] [comments]


2020.07.27 04:02 Enigma_Machine1 Odeio gatos

Antes de mais nada, gostaria de deixar claro que, por mais que eu odeie/não me sinta confortável perto de gatos, eu jamais prejudicaria eles fisicamente, mesmo tendo muito vontade (erroneamente, claro - talvez vocês "entendam com o meu relato). Não é disso que o desabafo se trata.
Esse é um relato meio longo.
Eu nunca convivi com gatos. Sempre cresci com cachorros em casa, tive um que me acompanhou desde a época da escola até terminar a faculdade. Amei muito ele, hoje tenho outro, um resgatado, que amo muito. Sempre amei cães, passei mais anos da minha vida com cães do que sem.
Por ter rinite alérgia, eu nunca cogitei ter um gato. E, antes de conviver com eles, eu não sabia dessa minha apatia gigante por eles. Esteticamente, até acho alguns fofos etc, mas também nada demais, longe dessa "loucura" que algumas pessoas sentem por eles.
Passei a ter um convívio maior com gatos através de uma das minhas primeiras namoradas. Ela tinha 3 gatos. Eu era bem novo, ela morava em uma kitnet, então 3 gatos já era bastante coisa. No geral eles até que eram comportados, mas lembro que acabaram estragando algumas coisas minhas (mochilas principalmente) e isso me irritava muito. Sem contar a rinite, que me deixava ainda mais irritado, mas na época eu pensava que era por estar um cômodo de uns 25m2 no máximo, sem ventilação adequada.
Eu namorei pouco menos de 3 anos com ela e foi durante esse período que a minha irritação com gatos aumentou. Uma das gatas SEMPRE dava o jeito de fugir do apartamento dela pro corredor e pro jardim que tinha no prédio. Minha ex me ligava e eu tinha que ir correndo ajudar ela a pegar a gata que, eu não entendo, morria de medo quando saía da casa (pra quê sair então, né, porra?), então era foda pegar ela, se enfiava em cada canto filha da puta de alcançar.
Os outros gatos eram um pouco mais de boa, mas a quantidade de pelos que deixavam pelo apartamento dela era um absurdo. Nem passando aspirador 2x por dia parecia que fazia alguma diferença. Minha ex não ligava, mas me incomodava ver eles estragando todos os móveis que ela tinha. Era o box da cama todo arrebentado (mesmo eles tendo arranhador), não podia ter uma única peça de decoração sobre uma mesa ou estante pois sempre derrubavam e quebravam, tinha que deixar a tampa da privada sempre abaixada pois eles davam um jeito de subir nela e não conseguir sair (burros). Até na cozinha, eu queria preparar algo pra comer e tinha pelo em tudo, mesmo se a gente limpasse.
Eu não diria que minha ex dava liberdade total para os gatos, na verdade ela sempre foi pé no chão com isso, várias vezes se irritava com a encheção de saco deles também (pra dormir principalmente - como era uma kitnet, não dava pra deixar em um cômodo separado, então era 3 da manhã e vinham encher o saco pedindo ração sendo que a porra do pote tava 90% cheio).
Enfim, terminei com ela mas o ranço pelos gatos ficou. Depois disso só tive namoradas que tinha cachorros ou então nenhum pet. Avancemos alguns anos para os dias de hoje.
Estou namorando há quase dois anos, já tenho planos de morar junto com a minha namorada, nos amamos muito e nos damos super bem. Além da parte romântica, temos um companheirismo e uma amizade muito boa, sempre apoiamos um o outro. Claro que já tivemos brigas, eu tenho os meus problemas e ela os dela, mas nada que não conseguimos superar na base da conversa. O único problema é que ela tem 6 gatos.
Recentemente, passei uns 20 dias quarentenado no apartamento dela. Está longe de ser uma kitnet, mas pra 6 gatos eu considero um lugar pequeno.
Eu tive, é claro, todos os problemas com minha rinite, mesmo tomando remédios de 8 em 8 horas pra aliviar. Se os três gatos dessa minha ex davam trabalho, o dobro deles é muito, muito pior pra mim.
Gente, nesses 20 dias eu vi cada coisa que me irritou pra além do limite. Obviamente que não demonstrei isso, mesmo ela tendo plena noção que pra mim bicho é bicho, humano é humano (eu não mimo meus bichos, trato meu cachorro super bem, mas longe de mimar com coisas que acho frescura, tipo dar banho dia sim dia não, fazer comer só T bone australiano ao molho de ervas finas, essas merdas - ele come ração, petiscos e de vez em quando frutas, só). Eu estava na casa dela, regras dela. Só que por amar tanto gatos, e mimar eles, na minha opinião, ela dá carta branca pra eles fazerem o que quiserem, sem consequência nenhuma (nunca dá bronca, não impõe limites).
Somente durante esse período: um dos gatos resolveu afiar as unhas no meu tênis novo (só não estragou pois percebi logo nos primeiros dias e depois escondi - mas encheram eles de pelos em algumas horas, eu não sei como); um outro escolheu a mochila velha da minha namorada pra vomitar bem em cima, cheia de coisa dentro. E não foi pouco. Outro gato afiou as unhas na mochila novinha dela e já arranhou uma parte dela. Tinha literalmente acabado de chegar, ela só colocou no sofá por um instante pra arrumar outras coisas e foram lá estragar.Um outro gato você não pode nem se mexer que ele se assusta, sai correndo e derruba tudo o que vê pela frente.
Eu levei meu notebook pra poder trabalhar. Deixava ele guardado quando não usava, claro, mas enquanto trabalhava, faziam questão de ficar se esfregando nele, enchendo de pelo, queriam subir na porra do teclado toda hora, tiraram ele da tomada umas 3x enquanto carregava e um dia desligaram ele no meio de um trabalho (eu estava distraído e deixei o note uns minutos de lado).
De noite era outro pesadelo. Obviamente eu não deixava nem conseguiria dormir com a porta da suíte aberta, com os gatos circulando, pois a minha rinite simplesmente me mataria. Mas é só fechar a porra da porta que começam a raspar aquela merda. Era a madrugada inteira assim, sem contar aquele miado irritante pra caralho, incessante. Puta que pariu, eu juro que me dava vontade de abrir a porta e dar um chutaço no gato no calor do momento. Claro que não fiz isso, mas a vontade realmente existiu. Pior que nem assim acho que adiantaria. E sim, já tentamos de tudo. Aqueles produtos que supostamente repelem os gatos com cheiros ruins, arranhador, tudo - só não tentei adestrar pois não moro lá e, tirando a exceção da pandemia, eu só fico no apto dela aos finais de semana, ou então ela fica no meu, enão meu convívio com os gatos nunca passou de umas 48h, o que era suportável e não exigiria adestramento. Sem contar que acho que nunca vi na vida um gato que obedece o dono.
De manhã era sempre a mesma merda. Algum gato sempre deixava um vômito de presente em algum lugar da casa. No sofá, na cozinha, em cima da mesa. Parece que escolhem sempre o pior lugar possível pra isso.
Nem preciso falar como são os móveis da casa, não? Zero decoração pois derrubam tudo. Sofás arrebentados. Toda hora pegavam coisa do varal e derrubavam. Mesma coisa com toalhas nos boxes dos banheiros. Eu tinha que me preocupar com meu note toda hora, as vezes queria só pegar algo na cozinha e tinha que esconder ele só pra não pegarem.
"Pote de comida está semi-cheio, tendo ração pra caralho? Vou derrubar ele e espalhar ração pela casa pq quero ver ele cheio sempre. A caixinha de areia tem UM cocô? Vou ficar miando o dia inteiro até alguém limpar isso, pra depois eu sair andando e não fazer as minhas necessidades. Quer ir tomar banho? Vou entrar no banheiro com você, mas no mesmo segundo que você ligar o chuveiro, vou ficar enchendo o saco pra sair. Quer dormir? Vou ficar miando na porra da porta. Quer almoçar? Vou subir na mesa e ficar te batendo com a pata pra me dar comida, pra quando você oferecer, recusar, sair da mesa, voltar em 2min e pedir comida de novo. Abriu o armário pra pegar algo? Vou entrar aqui sem você ver, deixar que feche a porta, depois vou ficar miando e, quando perceber que ninguém vai me ajudar, vou começar a ficar com medo e tirar todas as roupas do cabide. Me pegou no colo pq tô faznendo merda? Vou te arranhar e morder pra caralho (unhas cortadas, pelo menos isso). Tá concentrado vendo TV/jogando/mexendo no pc? Foda-se, vou ficar na frente da tela e se me tirar eu entro na frente de novo. Tá de boas na cama/sofá? Vou pular em cima de você do nada ou te usar como apoio pra pular em alguma outra coisa, foda-se se te assustar."
E acho que o que mais irrita é que, nem mesmo com a minha namorada, eles parecem ligar. O máximo de afeto que eles dão é sentar no seu colo, e mesmo assim tenho as minhas dúvidas se isso é uma demonstração de afeto mesmo.
Eu não sei se é o número de gatos que me deixa puto, ou se eu suportaria se fosse apenas um. Mas na real, eu não consigo gostar desses bichos. Pra mim são seres filhas da puta, egoístas, burros (não aprendem/não querem aprender nada no sentido de adestramento), nem um pouco carinhosos, estragam absolutamente tudo o que você coloca pela frente, ou seja, você vive em função deles e não tem nada em troca, pelo contrário, só despesas. Na minha opinião, viver com gatos é viver em uma prisão onde você precisa satisfazer a necessidade deles 24h por dia.
A minha única tática que funcionou durante esses dias foi a seguinte: spray d'água e espírito de porco. Se eu via algum deles fazendo merda, já corria com o spray e borrifava na cara deles. Isso me dava uns minutos de sossego, pois eles se assustavam e ficavam num canto sem encher o saco. Tem dois gatos que eram os mais folgados (80% do que comentei foi obra só deles). O que eu fiz? Enchi mais o saco deles do que eles o meu. Pegava eles no colo a cada 2 min - coisa que eles odeiam - e ficava um tempo com eles assim, até começarem a miar que estavam irritados. Eu soltava, esperava eles se aconchegarem e pegava eles de novo. No final desses 20 dias, era suficiente eles me verem pra saírem do meu caminho. Se faziam merda, eu simplesmente aparecia na frente deles e eles saiam correndo. Fiquei satisfeito pois sei que consegui controlar um pouco eles sem violência nenhuma (o que é algo deplorável e eu jamais faria, mesmo o meu ódio por eles "pedindo" isso - eu não teria coragem).
Eu só penso que, a bem da verdade, nem isso seria o suficiente pra mim a longo prazo. Eu tive que entrar em um estado de alerta 24h por dia pra borrifar o spray/encher o saco deles e eu não conseguiria viver assim por muito tempo. Meu asco por gatos é tão grande que é só ouvir algum miado que já fico irritado.
Eu imagino que a maioria aqui vai falar que não é bem assim, que nem todo gato é assim. Pode até ser, mas todos os que conheci são esses infernos na terra. Todo amigo meu que tem gato tem alguma história do tipo. De quebrar coisas caras, de machucar pessoas, sem contar que gatos são extremamente nocivos ao meio ambiente, o que eles matam de pássaros e outros animais não é brincadeira.
Sei que cães também podem fazer coisas assim, mas cara, nem mesmo o cachorro mais "destruidor" que tive chegou nesse nível. O máximo que ele fazia era mijar em lugar errado e latir quando eu ia comer.
Enfim, fica aqui o meu desabafo. Deve estar meio desconexo pois escrevi no calor do momento, conforme ia lembrando das merdas que eles fizeram. Me sinto meio peixe fora d'água postando em um site que idolatra gatos, o reddit, mas está aí.
submitted by Enigma_Machine1 to desabafos [link] [comments]


2020.06.23 03:01 drek92 (FEIO) Me preocupo com os outros

Bom, não sei por onde exatamente começar. Quinta-feira, da semana passada, apaguei o meu facebook e o Instagram, estava fazendo mal pra minha saúde mental, tinha mania de ficar fazendo comparações tanto esteticamente quando financeiramente, bom, imagino que todos passam por isso. Toda vez que eu postava uma foto, ficava preocupado com quantas curtidas eu tinha, e no final quando eu via quantas eu recebia, ficava um pouco pra baixo. Eu me acho feio, mas em contrapartida, outras pessoas me acham bonito, falam que sou parecido de fisionomia com o Henry Cavill, principalmente com Adam Lavine ou ator da série YOU, da netflix. No tempo de faculdade, eu tinha saído de um relacionamento e uma amiga veio me consolar, me ajudando a superar e etc, e como todos sabem, final de relacionamento a gente sempre pensa: "Ninguém vai me querer, nunca vou encontrar alguém como a fulana, o sexo era muito bom, vou sentir saudade e blá blá blá..." Bom, eu falava pra ela que me acho feio, e ela dava risada, diz que eu deveria começar a olhar pros lados, pq o que eu digo não é verdade e que apenas estou com a autoestima baixa.
Depois dessa introdução, desde que entramos em quarentena, eu refleti várias coisas sobre a minha vida, e até sobre a vida dos outros, enquanto escrevo esse texto, imagino que milhões ou até bilhões de pessoas estão sofrendo por ai, sofrendo por amor, sofrendo por uma morte de um ente querido por causa do Covid-19, sofrendo por discussões com familiares, sofrendo por estar em depressão ou na solidão, sofrendo por não ter amigos ou uma namorada ou alguém pra compartilhar momentos, enfim, diversos sofrimentos que são inúmeras.
O ponto que eu quero chegar é sobre a beleza, sim a beleza física, estética, a beleza exterior. Ultimamente vejo vídeos de psicologos e psiquiatras, nessa quarentena fiz uma maratona de videos do canal Neurovox, do psiquiatra Pedro Calabrez (não sei se vocês conhecem), ele se baseia em tudo que é cientifico, como por exemplo: Como superar uma relação, (nome do vídeo é "a dor do coração partido") E ETC... enfim, esse post não é sobre relacionamento mas sobre as dores das pessoas sobre a estética.
Em algum vídeo dele vejo pessoas totalmente desanimadas com a própria aparência, provavelmente é em algum vídeo sobre se afastar das redes sociais e comparações com outras pessoas nas redes sociais, e isso me levou a pesquisar afundo em blogs, videos no youtube e etc.
Teve um camarada, daqui do Reddit, que escreveu um post dizendo que odeia pessoas bonitas, e etc, cara, aquilo mexeu comigo por dentro. Sou uma pessoa muito empático, e me imaginei na pele dele, e me imaginei na pele de outras pessoas, pessoas que comentam e que eu consigo sentir, através das letras, o sofrimento da pessoa em saber que é feia, que não têm os atributos que a sociedade procura e que nunca irão se relacionar com as pessoas. Hoje foi o estopim pra eu desabafar sobre isso pq estava assistindo um video de um canal Alphalife e o nome do titulo é: " Se Você É Feio, Pobre e Tímido, Faça Isso..." vi os comentários das pessoas e aquilo me deixo tão, mas tão mal que não sei descrever pra vocês. Um dos comentários que me marcou foi de um camarada que dizia assim: "Eu sou muito feio, e sinto raiva de mim, tenho 1,65, tenho uma cabeça pequena, corpo pequeno "meio" que esguio, entrei pra academia pra ver se melhorava mas ficava totalmente desproporcional, parecia que meu corpo crescia mas minha cabeça ficava muito pequena..." e bom ele disse outras coisas que me fez colocar no lugar dele, pelo comentário dava pra ver o sofrimento desse rapaz. Se tiverem sorte procurem lá o comentário....
Tenho amigos e amigas de outros estados, sou de Porto Alegre, e quando comento com eles, quando digo que sou feio, eles tiram sarro de mim, o que mais falam é: "Fulano, tu é o cara mais sortudo desse país, tu mora no paraíso, aliás, se tu morasse aqui, tu farias sucesso com as mulheres", bom, quando dizem que moro no paraíso, vocês imaginam que Rio Grande do Sul só têm pessoas bonitas (bom realmente têm, mas as mulheres se acham e são estupidas só pq são bonitas, têm grana e etc, e isso vale para os homens também).
Como eu falei anteriormente, eu me acho feio, mas outras pessoas me acham bonito, até lindo me chamam. Daí vocês devem tá se perguntando, mas se as pessoas te acham bonito, pq não aceita? a reposta é, não sei, me acho normal, tenho 1,76, sou formado (enfermeiro), tenho 28 anos, faço academia pra manter o corpo em forma e manter minha saúde mental saudável - meus pais tiveram AVC (AVE cientifico); meu pai teve o hemorrágico ficou com sequela, minha mãe o isquêmico, não ficou com sequela - então, tenho a pretensão de ter AVC, e por isso, faço academia, mas não fico tirando foto do espelho pra postar nas redes (não tenho mais). Pela genética, meu cabelo é ralinho (mas tenho cabelo), tenho as "entradas", quase que iguais do ator Henry Cavill ou do ator que faz a série YOU da netflix, (pra terem uma ideia) elas não são tão acentuadas, e nunca me incomodaram, até pq tive 4 namoradas, isso nunca foi um empecilho. Meu pai é feio (sim ele é, até quando jovem, vi por fotos), em contrapartida, minha mãe era linda, ela têm fotos guardadas até hoje, vocês não têm noção de quão linda ela era, ela mesmo dizia que, poderia ter tido qualquer homem aos pés dela, e de fato, as amigas e irmãs dela me falam isso direto. Pode ser que essa "beleza" herdei dela, minha irmã é linda, principalmente quando era adolescente e mais jovem, os caras babavam por ela.
Dito tudo isso, mesmo me achando feio, tenho sorte de ter herdado essa "beleza" da minha mãe, mesmo meu pai sendo feio. Mas o desabafo é, eu sinto pena das pessoa que realmente não conseguem se relacionar, não conseguem uma namorada ou até mesmo sexo pq a outra pessoa se importa muito com a aparência. Bom, a verdade seja dita, sim, principalmente nos dias atuais as pessoas se importam com aparência, ninguém namoraria com alguém feio, alias eu já namorei, sempre caguei pra opinião alheia, e essa questão de que BELEZA É RELATIVO, DESCULPA, MAS NÃO É RELATIVO NADA.
Além de ser um desabafo, gostaria de saber da opinião de vocês? Vocês têm amigos ou amigas que são feios e que, sofrem por isso? Eu sinceramente não consigo me expressar muito bem, mas, o que posso resumir de tudo que falei é, eu fico com muita pena das pessoas que não conseguem se relacionar amorosamente pq a beleza física impede que isso aconteça. Vejo comentários tanto aqui no Reddit, quanto nos videos do Youtube pessoas infelizes com suas aparências. Quando ando pela rua com alguma amiga ou amigo, sempre tem um que fala: "Olha ali, o fulano é feio, não ficaria ou me relacionaria com ele/ela" Daí de imediato eu me coloco na pele da outra pessoa e tento imaginar o quão dolorido isso deve ser, as pessoas falarem isso.
Por mais que eu seja jovem, "bonito" para outras pessoas, formado, tive 4 relacionamentos, pra mim, as 4 ex namoradas eram bonitas, aproveitei o sexo, o sexo era maravilhoso, mas e as pessoas que são "feias", será que elas tiveram esse privilegio de amar e serem amados? Não sei como expressar, com o falei.
Eu tento ao máximo não me comparar fisicamente e financeiramente com outras pessoas, até pq, tem um vídeo desse psiquiatra que mencionei anteriormente que é "PARE DE SE COMPARAR COM OS OUTROS" e " PARE DE SE INTERESSAR PELA VIDA DE PESSOAS QUE NÃO FAZEM DIFERENÇA NA SUA", e esses videos me ajudaram muito, além de me dar forças pra excluir as redes sociais, me dá força de não me comparar com ninguém, mas eu sou tão empático que além de me colocar no lugar da pessoa eu não consigo em não me comparar com outra pessoa, gostaria profundamente que todos, TODOS, fossem bonitos e assim, ninguém sofreria, e teríamos TODOS uma vida feliz aqui na terra, lembrando que estamos apenas de passagem e que a vida está passando rápido demais, quase que em um piscar de olhos, e olha que tenho 28 anos, e to percebendo isso.
Forte abraço pra quem leu.
submitted by drek92 to desabafos [link] [comments]


2020.06.10 15:55 thegothamguardian Estranho mundo do desabafo.

...E me pego criando uma conta aqui, no Reddit. Pra início de conversa, eu nem sabia que isso existia. Mas tudo bem. O fato é que quando nos pegamos em momentos difíceis, principalmente nessa pandemia, nos vemos meio que obrigados a fazer coisas que antes não fazíamos. Por exemplo: Criei esta "bosta" apenas com um intuito: aliviar a minha carga emocional em tempos de quarentena.
O convívio com a família não tem sido fácil. Em especial minha mãe. Nossa! Eu a amo muito. Mas após ter morado sozinho por 8 anos --- acabei voltando a morar com ela, pois abri mão da minha independência financeira em prol de atingir um objetivo pessoal nos estudos e que requer dedicação exclusiva --- é um pouco complicado e/ou difícil lidar com algumas situações.
Que tipo de situações? Bom, eu já sofro de TAG (Transtorno de Ansiedade Generalizado). E só descobri em 2017 após ter engolido meu orgulho e ter procurado terapia com ajuda da minha Ex-namorada. Aí me deparo com minha progenitora sofrendo da mesma situação -- tudo bem que não sou nenhum especialista na área estar apontando o dedo, mas tudo indica -- e por muitas vezes, ao decorrer desses 5 meses de convívio, tentei mostrar que havia ali uma possível necessidade de conversar com alguém, um terapeuta, sobre questões que ficam claramente expostas em suas atitudes e reações. O foda é que sei que são coisas do passado. Coisas que a ferem muito. Mas por ser "putamente" orgulhosa, não quer aceitar isso.
Ela não enxerga. Eu sei disso. Já passei por isso. Você nega. Mas sabe aquela frustação ou sensação de não saber o que fazer? E que muitas vezes acaba refletindo em atitudes grosseiras da minha parte? Pois é. Estou nisso. É... sei lá como posso descrever... Constrangedor? Impotente?
Nesse contexto, acabo criando válvulas de escape pra poder fugir desses problemas até mesmo pra não afetar meu emocional que tanto precisa ficar bem pra poder seguir com o cronograma de estudos. Mas da metade do mês de maio para cá, percebo que estou ficando sem combustível para lidar com essa situação. Isso tem até mesmo afetado meu desempenho nos estudos. Aí já viu, né?! A bola de neve da carga emocional que fica com tudo.
Esse fim de semana passado, quase que contratei um terapeuta online pra bater um papo, pois não estava aguentando mais. Na verdade, ainda não estou. Porém, recuei. Ainda estou avaliando isso.
Bom, gostaria de poder escrever mais. Contudo, tenho minhas obrigações pra cumprir. E confesso que o fato de vim escrever aqui, tentar narrar um pouco tudo isso --- por mais que meu português, de maneira geral, não seja bom --- já aliviou a carga pela manhã. Acho que mais tarde voltarei. Vai depender de "n" fatores. Hahaha.
Um abraço a todos!
(acho que só eu tô lendo isso aqui, mas não importa kkkk)
submitted by thegothamguardian to u/thegothamguardian [link] [comments]


2020.03.29 06:10 laizeneves Estou me sentindo muito incomodada com certas atitudes minhas;

Estou me sentindo muito incomodada com certas atitudes minhas;
Quando busco na memória percebo que tais atitudes não são de hoje.
Hoje escrevi um texto no Reddit respondendo ao desabafo de um jovem, sobre as dificuldades de se conseguir uma namorada;
Eu disse que sai de um relacionamento longo, e quis aproveitar ao máximo essa "nova" liberdade adquirida. E é a mais pura das verdades.
Hoje sinto falta de ter uma pessoa do meu lado, as vezes queria ter uma namorada para chamar de minha, tem o lance sexual, não posso ser hipócrita e dizer que não me importo com isso, mas também não é o ponto mais importante. O fato é que as vezes sinto muito a falta de ter alguém ao meu lado.
E eu começo a entrar em umas nóias muito loucas, as vezes tenho a "certeza" que a mina está me dando mole, encasqueto isso na minha cabeça e demora se um longo tempo até ir embora;
Vivemos hoje na era das mídias sociais, onde você consegue acompanhar os passos que as pessoas dão ao longo do seu dia a dia, isso "nos" torna participantes da vida do nosso crush;
Mas cá para nós, tudo tem limite.
Não é errado se interessar por alguém, achar a pessoa interessante, bonita, atraente, gostosa, enfim, se sentir atraído por alguém e criar expectativas de ficar com a pessoa, e se tiver oportunidade demostrar o interesse.
Mas tudo tem limite.
As vezes quero me convencer que estou certa, que a pessoa X está me dando muito mole, e nutro esse sentimento dentro de mim, é verdade que com o tempo isso passa, mas consome muito do meu tempo e da minha mente ficar pensando em situações que me levariam a ter uma chance com essa pessoa.
Sismei com a mina da faculdade.
Agora com a mina do trabalho.
Estou escrevendo este texto por causa dessa minha "fixação" por essa mina.
É verdade que eu me sinto atraída fisicamente por ela, mesmo que não saiba nada da sua vida, exceto o fato dela ter uma personalidade muito forte.
Tentei chegar, e fiquei "convencida" que ela me deu "mole".
Por mais que isso seja verdade, não posso, não quero e não devo viver em função disso.
Posso descartar todas as formas que tenho de chegar nela novamente, como posso coloca lás em pratica, mas isso tem que ser de forma saudável e genuína;
Me veio na cabeça agora uma comparação meio louca: o Thiago Nigro sempre fala que para os investimentos um dos pontos mais negativos é a ganância, é querer muito mais do que se tem e não medir esforços para conseguir, independente da forma que será adotada para conseguir o objetivo.
A ganância cega.
E tá aí a comparação que eu gostaria de fazer, é uma forma de ganância essa falta de discernimento de saber o que posso ou o que não posso, o que devo ou não fazer.
As vezes viajo tanto nessa situação que acabo alimentando mais do que deveria;
Ela está seguindo a vida dela, pode ou não se lembrar que eu existo, e eu criando planos mirabolantes para chegar até ela, pensando no que posso fazer para retornar o nosso contato se é que um dia tivemos um, o fato é que eu quero acreditar nisso tudo;
Não a tanto tempo assim, costumava me comparar aos meus amigos homens, ficava pensando porque a grande maioria deles é tão fria, não são tão sentimentais, confesso que por vezes senti inveja, mas hoje consigo me enxergar, e entender que eu sou uma pessoa extremamente sentimental, que gosto de viver de sentimentos, sentimentos esses que me tocam, que me motivam, que me despertam, e hoje sou grata por cada um desses sentimentalismos.
Mas tudo tem limite.
Sinto medo de estar passando do ponto, por mais que seja total verdade que ela esteja me dando mole, não posso ficar nessa ânsia em querelá a qualquer custo.
Ser for pra gente beijar na boca, namorar ou quem sabe casar, vai rolar independente de qualquer coisa, preciso ter maior e melhor discernimento sobre isso.
A palavra é autocontrole/equilíbrio.
submitted by laizeneves to desabafos [link] [comments]


2020.01.30 06:27 curiosity_br Tenho muito o que dizer, mas ngm pra escutar...

Vou tentar fugir um pouco do estereótipo do jovem carente aqui... Pois bem, vou fazer 18 (março), sou bv e consequentemente nunca tive um relacionamento.
Sei os meus problemas que me fazem não ter uma namorada, mas vamos deixar isso de lado um minutinho...
Desde criança sempre me senti bem sozinho, não que eu seja isolado ou sla, até gosto da solidão, o problema é q nunca senti q as pessoas me entendiam, ou que entendia os outros... Sempre me senti um estranho, mesmo com meus amigos, as vezes sinto q não posso ser eu mesmo sabe, que tenho q dozar o meu eu...
Não gosto de conversa fiada, gosto de falar de coisas que aprendo e tal, percebo q a maioria das pessoas é o oposto, desde de sempre noto isso... Não tenho dificuldade de criar amizades, apesar de ser super tímido, mas isso sempre me incomodou o fato de parecer q todo mundo é tão diferente de mim, não consigo explicar tão bem por esse posto, mas se sentissem isso... Entenderiam q falo sério...
Não me considero uma pessoa carente, mt pelo contrário, sou do tipo que curte ficar sozinho, mas independente... Só q já to de saco cheio de não ter ngm que me ame, sabe de ter uma namorada, alguém pra se preocupar... Queria muito alguém pra escutar o que tenho a dizer, tenho tanta coisa pra falar...
Só quero uma namorada pra conversar? Não, nunca tive um relacionamento sinto falta disso, ja postei várias coisas aqui no Reddit sobre meus problemas e tal, mas nunca tinha parado pra pensar profundamente sobre a minha vida, até esse fim de semana q foi o pior.
Cheguei a conclusão de que sinto muita falta de alguém q me intenda q possa me abrir, que me de forças e me motive, que seja recíproco... Isso é carência?
Sinceramente, mesmo se for e dai? Nunca tive uma namorada, quero uma garota inteligente que goste de falar cmg e que me ame...
Já to cansado de ficar triste e não ter ngm com quem eu possa me abrir, que me forças...
E tenho tantas assuntos que gostaria de conversar, coisas sobre ciência e teorias malucas... Por isso queria uma menina inteligente que fosse na mesma vibe que eu...
Meio q já encontrei algumas mas não deu certo, agora tenho o número de 2 no wapp, pena que uma meio q só me usa pra dar risada, e a outra conversa de boa e vácuo conversa de boa e vácuo... Já cansei disso
Só queria alguém que gostasse de mim e me aceitasse, sou super tímido, mas tenho qualidades que valem a pena eu sei, tem cada cara q nem acredito q namora, pq não poso achar alguém legal né
Vi uma frase que reflete muito o que sinto no momento "'Quando eu me sento sozinho me conheço um pouco mais. Mas preciso de mais do que eu mesmo dessa vez"
Já to cansado de passar por dias ruins sozinho, sem ngm pra me dar apoio... No fim de semana foi o que senti, precisava de alguém pra me fazer esquecer das minhas tristezas, nem q fosse por um segundo...
Enfim, espero que não pareça muito idiota esse texto, mas é o que eu sinto no fundo do meu coraçao....
Pq não tenho arrumo uma? Não me importo com beleza, mas gosto de garotas inteligentes, 95% são muito sem assunto, acho chatas... Não saio de casa, pq? Moro na roça, e não tenho jeito de sair... E sou muito tímido,
Mas quero achar uma menina q eu goste de vdd, e que goste de mim, se isso acontecesse, ia dobrar o mundo pra que desse certo.
Não me mandem ficar no estudo ou sla, isso não vai me ajudar no momento, não ja resolver nada, e o fato de sla, alguma mulher se interessar por mim se fosse rico... Sem comentários, isso não me ajuda.
submitted by curiosity_br to desabafos [link] [comments]


2020.01.04 21:39 JuniorCarmo Preciso de ajuda psicológica sobre relacionamento.

Vou contar a minha história e a quem interessar eu gostaria de alguma opinião sobre o assunto. Talvez fique grande mas espero que leiam.
Tudo começou no 2° ano do ensino médio quando nos primeiros dias de aula eu conheci a minha futura namorada. Vivemos quase 5 anos juntos e nos finalmentes do relacionamento até moramos juntos com o meu pai.
Eu amo muito ela e ela sempre me amou muito! Ela sempre correu atras de mim quando havia alguma briga e vendo como foi o meu relacionamento com ela, vi que nunca dei tanto valor assim. Geralmente só se dá valor quando se perde, não é mesmo?
Com mais ou menos 2 anos de relacionamento e algumas brigas infantis de um casal jovem de apenas 18 anos de idade, nós tivemos a primeira briga séria onde nos separamos por mais ou menos um mês. Antes de se separar, nós sempre saíamos nos finais de semana com alguns amigos meu, e teve um em especial, que íamos na casa dele, no quarto dele, esperar ele se arrumar para podermos sair ( Eu, minha namorada e um amigo ). Nós íamos no cinema, pastelarias e afins, apenas para dar umas voltas e etc. Quando eu e minha namorada nos separamos por mais ou menos 1 mês, resolvi tentar voltar com o nosso relacionamento, foi quando ela me contou que havia saído com ele e ficado com ele uma vez. Ele era meu amigo a mais de 10 anos! Nesse meio tempo que eu fiquei separado, também saí com uma amiga minha, fiquei algumas vezes mas optei por voltar com o meu relacionamento. Ela aceitou voltar comigo, pedi que ela bloqueasse esse amigo com quem ela ficou, com medo de que continuassem conversando e etc. E ela pediu que eu bloqueasse a menina com quem eu fiquei e tentamos seguir a nossa vida.
Depois de um tempo morando junto com a minha namorada e com algumas brigas infantis, brigamos sério novamente e nos separamos de novo por mais de um mês e ela saiu da minha casa e voltou pra casa da mãe dela. Como nós morávamos com o meu pai junto, sempre tivemos muito conflito, ela nunca gostou do meu pai e creio eu que ele foi 50% do stress do nosso relacionamento. Após mais ou menos 1 mês separado, eu novamente tentei voltar com ela e bomba! Descobri que ela estava namorando com aquele mesmo "amigo" meu de 10 anos atras, e que haviam conversado a mais ou menos 2 anos atras.
Fiz de tudo para tentar voltar, eu tentei conversar com ela de todas as formas, segui ela quando vi ela andando de carro, fui na casa dela de madrugada enquanto ela dormia para tentar conversar, me humilhei, me cortei, tomei mais de 30 remédios e quase me joguei de moto na frente de alguns caminhões na estrada. Foi uma depressão terrível. E não teve jeito, ela vai continuar com ele.
Acredito que ela não sofreu com o nosso término de relacionamento, foram quase 5 anos junto, eu tive MUITO apego emocional e não consigo acreditar como ela foi capaz de ficar com ele em tão pouco tempo. Descobri que ela já havia chamado ele novamente 1 semana após o término comigo. Não sei se ela está fazendo de propósito para tentar me machucar, se está tentando me esquecer dessa forma. O que ela fez comigo é imperdoável, falta de respeito total e falta de consideração comigo.
Nas vezes que eu tentei cometer suicídio, cortando os pulsos, tomando remédio e quando eu havia dito que ia me jogar na frente de um caminhão, ela fazia questão de vir pessoalmente falar comigo e falava que não era pra fazer isso e etc. Ela disse que se importa muito comigo e me quer bem, mas eu não consigo entender porque ela ficou com outro cara tão rápido, porque jogar no lixo quase 5 anos tão rápido e tão fria.
Já tive uma consulta com um psicólogo no seu consultório, porém, ainda não estou bem, preciso esperar para ter a próxima consulta, por isso vim até o reddit pedir a opinião de psicólogos e de pessoas que já tiveram experiencia com isso. Eu amo muito ela, todos os dias eu penso muito nela. Ela já me bloqueou de todas as redes sociais, portando não consigo stalkear, por mais que isso vá me machucar muito, eu tenho vontade!!! Eu acredito que estou com depressão. Eu não consigo dormir a noite, se eu acordar no meio da madrugada, fico pensando nela de forma involuntária e não consigo mais dormir, fico pensando em toda a intimidade que eu tinha com ela, e agora outro homem fazendo o que eu fazia com ela. Imagino ela fazendo sexo com o cara, só fico com pensamento ruim e meus dias estão sendo longos e terríveis. Eu sinto um vazio ENORME no peito, um gelo. Eu não consigo comer e nem tomar água, realmente não sinto fome, porém, eu tento empurrar comida e água. Parece que meu estomago diminuiu.

Alguém que já passou por isso tem alguma dica mágica que ninguém fala? Algum conselho? estou sofrendo muito, e sofro muito mais sabendo que ela não sofreu com isso. sabendo que ela já tem outro e eu estou aqui, afundado no limbo do sofrimento. Obrigado quem leu tudo.
submitted by JuniorCarmo to desabafos [link] [comments]


2019.10.15 10:01 UnablePineapple0 Conselho pra relacionamento

Estou passando um problema no meu relacionamento e queria a ajuda de vcs :P
Tenho 18 anos e estou namorando uma garota da mesma idade faz 6 meses. O problema é que meu melhor amigo, que também era muito amigo da minha mina, se mudou da cidade 4 meses atrás pra um lugar beem longe. Depois disso ele começou a falar bem mais com minha namorada do que comigo, ele liga todos os dias por video pra conversar. Eu sei que devo confiar neles mas infelizmente nossa relação como um trio já foi bem prejudicial pram mim (vou explicar mais pra frente). O fato é: eu me sinto triste e com um ciúme dos dois, de um lado porque eles se falam muito mais do que eu e ele e do outro pq minha mina fala todo dia com o cara por vídeo. Gostaria de enfatizar o fato de que nunca repreendi nem impedi de maneira alguma a relação deles, porque sei que não é o certo e me sentiria mal em acabar com o laço que eles criaram quando éramos três amigos e eu ainda não à namorava.
O plot é que já tive grande problemas com nós três. Infelizmente sou muito inseguro e eventualmente quando eu não podia sair com eles ficava meio triste de ver os dois saindo juntos e com minha incrível imaginação consiguia criar 1 mol de cenários diferentes onde algo dava errado (muu). No dia antes dele viajar, estávamos os três na minha casa e por estar perto da hora da minha namorada ir pra casa ela foi e consequentemente levou ele pois era caminho. Ele era meu melhor amigo e queria ter certeza que ia aproveitar seus últimos minutos comigo antes de viajar, como ela disse ia pra casa e ia deixar ele no caminho, pedi pra que avisassem quando chegassem. Um tempo maior que o usual pra que ela chegasse se passou e eu perguntei. Eles no caminho decidiram que iam pra casa dela e ficar fora até a mãe dela ligar reclamando perguntando onde ela estava e ele ia pegar um Uber. Fiquei muito mal esse dia pois queria estar com ele o máximo possível e por eles não terem me avisado da mudança de planos.
Hoje quando eles se falam e eu sei, essa situação se repete na minha cabeça e lembro de outros problemas que acompanharam essa relação, eu simplesmente não consigo me sentir bem com o fato que eles se falam e que ele me "abandonou" por ela. Por outro lado também não conseguiria pedir pra ela pra eles pararem de se falar, pois, primeiramente não devo limitar ela e segundamente, não queria ser a razão da relação deles acabar.

O QUE EU FACO REDDIT????? PLS
Ps: esses dias precisei muito da ajuda dele e ele c*gou tijolos pra mim.
MUITOS ME CHAMARÃO DE CORNO MAS SE DEUS QUISE TAMO AI SEM CHIFRE
submitted by UnablePineapple0 to desabafos [link] [comments]


2019.01.03 13:34 matt9527 Quando sair da casa dos pais?

Olá /brasil! Eu não costumo postar muito no Reddit, mais lurko do que outra coisa, mas sempre vejo postagens do pessoal pedindo dicas e conselhos sobre como sobreviver neste nosso querido Brasil varonil e o pessoal que comenta costuma ser razoável e compreensível. Peço desculpas porque vai ser um post longo, mas o que eu queria era conversar sobre essa questão de começar a morar sozinho. Um tl;dr da minha vida é que eu tenho 23 anos, tô num emprego que me faz querer ouvir Radiohead quase todo dia porque não tá mais me trazendo satisfação pessoal alguma e é um porre vir aqui e minha relação com meus pais está bem ruim, principalmente com a minha mãe (são separados e eu moro com ela e meu dog de 14 anos). Comecei um relacionamento com uma mina de uma cidade próxima da minha fazem 6 meses, ela tem uma vida complicada (filho de 3 anos included), mas a gente se dá muito bem, é companheiro um com o outro e se respeita bastante. Eu visito ela a cada 15 dias nos fds, mas passei minhas férias todas lá, convivemos cerca de dez dias junto, eu, ela e a prole. O menininho deu uns chabu, mas é o de se esperar de uma criança de 3 anos. E apesar de tudo, ele gosta bastante de mim, a gente joga Mario e vê Jaspion junto. Foi uma convivência curta, mas muito boa. O problema é que meus pais, mais a minha mãe, não curtem esse relacionamento. Principalmente pelo fato deu ter que futuramente assumir uma criança que não é minha. Meu pai é respeitoso com a minha decisão de ficar com ela, já foi na casa da menina, jantou com a gente e a criança, me incentiva a ser sempre mais responsável, etc. Já minha mãe odeia a menina, não aceita que eu leve ela em casa e nem mesmo pronuncia o nome dela lá. Já fez coisas do tipo invadir meu computador, ler conversa nossa no Whats desde o começo do relacionamento (inclusive conversas de mim desabafando e xingando ela, minha mãe, o que fodeu tudo mais ainda), vigiar o que eu faço no trabalho e até conversar com o meu chefe sobre meu rendimento (que se caiu foi principalmente por eu estar desmotivado aqui do que outra coisa). Isso com a minha mãe foi evoluindo tanto que nesses últimos meses eu já ouvi pra sair de casa mais vezes do que eu gostaria, inclusive eu passei minhas férias todas lá com a namorada por causa de uma treta que se iniciou porque eu ri de uma série que tava assistindo. Passei esses dias todos sem falar nada com a minha mãe, meio que por ordem dela quando eu saí. E ontem eu tava muito em pânico porque não sabia o que esperar quando voltasse pra casa. Sabia nem se meu cachorro (que recentemente passou por uma cirurgia pra remover um tumor) tava vivo. Eu não moro lá de parasita, ajudo com as contas, com mercado e minhas despesas, principalmente nos últimos meses, mas simplesmente não tenho tido mais uma convivência pacífica com a minha mãe, as vezes a gente fica numa boa, mas a gente não se entende mais e não se respeita mais (ela com o meu espaço pessoal principalmente, porque eu não posso nem fechar a porta do quarto sem que ela ache ruim). Isso tudo me machuca pra caralho e tem sido causa de muita ansiedade, alguns amigos meus já me disseram dessa opção de alugar um lugar e eu tenho considerado bastante isso. Não pretendo acolher minha namorada e o filho dela tão cedo pra gente morar junto, quero me estabelecer no lugar primeiro e principalmente tentar acostumar a criança nele e isso leva tempo, e com o meu salário/emprego atual sair de casa é praticamente impossível, mas tô com novas oportunidades em vista que talvez possibilitem essa mudança. Ontem eu e minha mãe tivemos uma conversa onde ela meio que tacou o foda-se e disse que não iria mais se meter com as minhas coisas, que eu poderia fazer o que bem entendesse em casa, desde que eu assuma mais responsabilidade com as contas (atualmente eu só pago a internet) e continue cuidando das minhas próprias despesas. E que se eu quisesse sair, que eu fosse em frente e que caso eu me arrependa as portas de lá estariam sempre abertas. Ela parecia triste mas fair enough. Agora se eu realmente for morar sozinho, o que vocês tem a recomendar? Ter meu espaço é algo que eu sempre quis, mas isso tá meio far ahead do tempo atual porque ainda vai demorar um teco pra sair desse emprego que tô, mas eu sou muito ansioso com o futuro e sempre penso demais nas coisas, por isso qualquer dica ou conselho que eu possa ouvir vai me ajudar muito. Obrigado meus bacanos.
submitted by matt9527 to brasil [link] [comments]


2018.12.29 15:58 lisbonraptors Encomendas dos EUA - como facilitar processo na Alfândega?

Boa tarde a todos! Ahah, customs, outra vez. Após alguma pesquisa, dentro e fora do reddit, além de péssimas experiências com a alfândega (ficam-me literalmente com tudo, não interessa o país, empresa, presente ou não), ainda tenho algumas questões que não consegui entender ao certo. Serão sempre enviadas coisas para mim só como presentes, para que conste. A primeira vez que a minha namorada me mandou uma caixa (com tudo listado devidamente) recusaram-se a esclarecer porque é que não ma podiam dar, só mais tarde insistindo que era porque "o valor indicado não correspondia ao que estava na embalagem". Portanto, mesmo após ter explicado que eu não tinha comprado nada (estavam a dizer-me para contactar o vendedor para "enviar os documentos" quando já eu os tinha entregue todos), ignoraram o facto de eu não ter tido conhecimento prévio de que 1) era um presente, uma surpresa cujo conteúdo eu desconhecia e 2) fizeram-me inventar um valor extra directamente do meu cu para que, magicamente, me dessem a merda da caixa. Se possível, poderiam ajudar-me com estas dúvidas:
1 - Ao listar o conteúdo da caixa quando há, por exemplo, vários chocolates de várias marcas, a pessoa que envia dos EUA para PT põe "Chocolates x 5", apenas "Chocolates" ou teria que listar cada marca, quantidade e preço para cada um indivualmente? Só quero que nos deixem em paz e não entendo se pôr mais informação complica ou facilita o processo.
2 - Sabendo que é impossível não passar dos 22€ (o shipping mais barato de lá é 34$), misturar comida, roupa, jogos de consolas, peluches, objetos sem grande valor monetário (origami, cadernos, canetas), etc, numa só caixa compensaria mais ou seria pior do que enviar em separado para evitar a espera/que ficasse retido?
3 - Agora parece que, finalmente, é mais rápido fazermos o desalfandegamento online. Porém, eu prefiro mesmo ir directamente à imundice que é aquele mini espaço da alfândega em Lisboa e esperar umas 3h. No entanto, gostaria de saber se existe uma taxa por ir levantar presencialmente, pois nesse caso prefiro esperar umas duas semanas.
4 - Existe alguma maneira de evitar "melhor" a inspecção aleatória das embalagens? Sei que até aos 22€ (incluindo shipping, LOL) estou fodida. Ela enviou-me por USPS. FedEx e DHL ouço dizer que nos violam fortemente em taxas extra só porque sim.
Lamento a ignorância e obrigada desde já.
submitted by lisbonraptors to portugal [link] [comments]


2018.11.13 13:35 Dinohobby Pediram para eu postar aqui também. Traduzi o texto famoso do filho incel do r/self "My son is a hateful incel, and I just cannot save him or defend him anymore."

link original pra quem quiser: https://www.reddit.com/self/comments/9vs05k/my_son_is_a_hateful_incel_and_i_just_cannot_save/

Meu garoto, meu filho mais velho, era tão bom quando pequeno, mas algo dentro dele quebrou quando ele era adolescente.
Minha esposa e eu sempre aceitamos, amamos e encorajamos ele. Nós o ensinamos a trabalhar duro e tratar as pessoas com respeito. Eu não sei onde exatamente nós falhamos com ele, mas como um pai eu me sinto responsável pelo que ele se tornou.
Começou quando ele tinha 14 anos. Ele tinha começado a se tornar recluso e emocional. Nós julgamos que era apenas as alterações de humor da adolescência. Por algum motivo ele era irritadiço e amargo o tempo todo. Nós estávamos preocupados com sua falta de vida social e sua dependência de seu computador. Ele meio que se escondia no mundo online então eu e minha esposa começamos a limitar seu tempo no computador, mas isso só o tornou mais agressivo e confrontador.
Sua higiene era ruim, e ele sempre nos confrontava quando pedíamos para que tomasse um banho ou lavasse suas roupas. Seu quarto fedia e eventualmente tivemos uma grande briga quanto a isso, onde ele acabou empurrando minha mulher e xingando-a de vadia. Finalmente conseguimos o fazer limpar e deixar entrar ar em seu quarto regularmente, justificando que a casa era nossa e que se ele não conseguia manter seu espaço em dia então não teria direito a tê-lo – essencialmente chegamos ao ponto em que nós dissemos a ele que não teria posse de suas coisas nem privacidade a menos que cuidasse do espaço que todos nós dividimos. O quarto ainda tinha um cheiro terrível e ele continuava sendo rude quanto a limpeza, mas ao menos nós podíamos falar para ele limpar e ele o faria.
Nós acabamos recebendo uma ligação de sua escola dizendo que uma estudante se sentia abusada por ele. Nos mostraram mensagens onde ele continuava repetindo para ela transar com ele, ameaçando “punir” ela por ter um relacionamento com ele sem querer fazer isso, enviando nudes para ela contra a vontade dela, contando suas fantasias violentas e eventualmente se rebaixando para reclamações horríveis cheias de ódio sobre como ela era apenas mais uma “vadia” e outras coisas.
Nós ficamos chocados. Nós explicamos para ele o porquê desse comportamento ser inaceitável, e eu disse que não havia problema em ser sexualmente ativo, mas que suas ações eram tóxicas e abusivas.
Eu tentei orienta-lo de homem para homem, levando ele para viagens de acampamento e coisas parecidas, além de falar com ele sobre garotas e mulheres e tentando dar dicas para ele. Eu sugeri para ele que tentasse tomar banho, mudasse o estilo de seu cabelo e pelos faciais, experimentasse roupas diferentes e talvez começasse a ir a uma academia.
Contei a eles algumas verdades doidas – que se ele não quer uma mulher nojenta ele não deve ser um homem nojento. Com homem nojento eu quis dizer higiene e aparência. Expliquei para ele que uma boa aparência é mais higiene e cuidado próprio que genética mas ele se recusou a aceitar o que eu disse.
Depois disso eu o peguei fungando as calcinhas de sua irmã na lavanderia – ele tinha 17 anos na época, e sua irmã 12 – ele me assegurou que isso não tinha nada a ver com sua irmã, e disse que ele apenas tinha um fetiche por cheirar calcinhas e que ele fingia que elas eram de garotas de vídeos pornô, mas ainda assim o fiz sentir o inferno por isso, deixando ele de castigo e sem seu computador por 6 meses. Eu acabei dando uma olhada em seu computador e fiquei enojado com os forums odiáveis, racistas e de incels (celibatários involuntários, homens que não conseguem ter relações sexuais e amorosas e culpam as mulheres e os homens sexualmente ativos por isso) que ele frequentava, as coisas horríveis que ele falava sobre mulheres, e arquivos salvos com pornô de desenhos com garotas de idade duvidável. Eu limpei o HD por completo e comecei a monitorar estritamente sua atividade online. Eu usei filtros parentais para bloquear sites de incels e pornôs que possuíam pornografia cartoonizada.
O próximo grande problema foi algo que ele fez com a amiga de minha filha. Minha filha é cinco anos mais nova que ele, e um dia depois de uma amiga dela ter vindo dormir em casa minha filha veio até mim e disse que essa amiga queria contar algo para mim mas estava com medo do que eu poderia falar.
Meu filho encurralou essa garota de 13 anos e fisicamente bloqueou o caminho, tocou seu cabelo e rosto enquanto fazia comentários inapropriados sobre seu corpo e perguntando se ela gostava de dormir nua e que tipo de roupas intima ela usava.
Eu rasguei com meu filho por isso, eu e minha esposa gritamos com ele, e dissemos que seu comportamento era horrível e falei que se seus atos o fizessem ser preso, eu não iria defendê-lo. Ele nos acusou de não ama-lo, mas eu disse que a razão para eu estar tão bravo com ele naquela situação era exatamente porque eu o amava, e que eu queria ajudar ele a se tornar um bom homem para que ele parasse de ser predatório, amargo e miserável. Eu contei algumas verdades duras. Que ele fez tudo isso a si mesmo e que ele é o único que ele pode culpar pelo quão amargo ele é.
Eu sugeri que ele procurasse por mulheres de sua idade e ele acabou reclamando que isso era uma perda de tempo pois mulheres já eram putas (e sua definição de puta é uma mulher que não é virgem) aos 17 anos. Eu chamei sua atenção por conta dessa merdalhada que ele disse e demonstrei claramente que se ele abusasse novamente de alguma garota jovem eu mesmo o denunciaria.
Eu convidei a amiga da minha irmã para vir em casa depois disso e pessoalmente pedi desculpas pelo ocorrido, eu chorei de vergonha pelo comportamento do meu filho e implorei por perdão por permitir que ela se sinta insegura em minha residência, além de prometer a ela que se ela a qualquer momento se sentisse desconfortável ela poderia vir até minha esposa e eu e nós sempre acreditaríamos e ajudaríamos ela. Por sorte, minha filha não perdeu essa amiga, mas por segurança eu instalei uma fechadura na porta de seu quarto.
Nós conseguimos uma terapia para meu filho mas ele se recusou a entrar em contato com o terapeuta, chamando ele de “árabe escroto”, “pajeet” e “terrorista”. Seu próximo terapeuta era um “chad” (chad, na cultura da internet, é um pau no cu estereotipado, com um ego do tamanho de um planeta que precisa de um chute no queixo, normalmente considerado o “babaca que elas correm atrás”) e portanto também não conseguir ir com a cara dele.
Nós brigamos com ele por não tentar, não conseguir um emprego e ele disse que não conseguia um por conta dos imigrantes, e eu acabei apontando que ele estava tendo dificuldades pois ele foi demitido de seus trabalhos do colégio por ser preguiçoso.
Depois dessas brigas, minha esposa tentou empatizar com ele e entender o que o tornou tão amargo, mas ele se virou contra ela, chamando ela de uma puta devoradora de rolas e disse que ela “fodeu” seu caminho por dezenas de homens até que ela encontrou um “viado beta” que estava disposto a dar um lar para ela em troca de sexo missionário.
Minha esposa, que trabalha e ajuda na renda familiar, que é uma mulher independente e profissional.
Honestamente eu perdi a mente nisso mais do que nunca. Eu nunca havia ficado tão bravo quanto quando eu ouvi o que ele disse. Ela pode ser a mãe dele, ele pode ser meu filho, mas a mulher que ele estava xingando e acabando era a porra da minha esposa. Ninguém fala assim da minha esposa.
Eu estou envergonhado de dizer que no meio da minha fúria ele me empurrou e eu retaliei fisicamente, empurrando ele de volta e colando ele na parede. Eu senti vergonha de mim mesmo. Eu nunca fui uma pessoa brava ou violenta, mas eu não pude me controlar. Eu nunca havia colocado minhas mãos em qualquer um dos meus filhos daquela forma em toda minha vida, eu odeio quem abusa de suas próprias crianças, mas esse garoto não era nenhuma criança. Ele era um homem crescido.
Ele ficou intimidado e recuou, e por um tempo ele ficou pacífico.
A gota d’água aconteceu essa semana.
Minha filha ficou com três pessoas em sua vida toda. Um garoto, uma garota e agora outro garoto. Nós sempre fomos abertos quanto a sexo com minha filha do mesmo jeito que éramos com meu filho. Nós perguntamos se ela gostaria de ter um estoque regular e sem questionamento de preservativos em sua gaveta no banheiro, e se ela gostaria de tomar anticoncepcionais. Ela disse não para as duas perguntas com seu primeiro namorado. Ela nunca o trouxe para casa, mas chegamos a encontrar ele uma vez em um de seus recitais. Quando ela teve uma namorada ela ia para a casa dela direto, e não queria trazer ela para a mesma casa que seu irmão morava, um sentimento que eu entendia.
Mas seu mais recente namorado tinha muita coisa acontecendo por trás em sua família. Ele é um bom garoto mas sua mãe é uma mãe solteira de quatro filhos e sofria bastante por isso.
Esse garoto começou a frequentar nossa casa mais ou menos um mês depois deles se juntarem. Eu gosto dele, minha filha é feliz com ele, ele trata ela com respeito, é inteligente e um absoluto cavalheiro. Ele é respeitoso e educado em nossa casa, ele me chama de senhor, minha esposa de madame e oferece ajuda para cozinhar e lavar a louça ou até mesmo limpar a casa quando ele visita. Ele conversa com a gente, é meio que um cozinheiro amador e trás comida para nós o tempo todo para agradecer os nossos cuidados a ele. Quando nós saímos para jantar ele sempre oferece pagar para ele e minha filha (mas eu sei que ele não tem muito dinheiro então eu pago para ele). Quando saímos do carro ele sempre abre a porta para minha esposa e oferece a mão dele para ajudar ela a descer. Ele segura as portas, quando saímos para algum lugar ele ajuda minha filha a colocar a jaqueta como naqueles casais doces e tradicionais.
Esse jovem trabalha duro, e dá o pouco que tem para sua mãe e irmãos. Como eu disse, eu realmente respeito o garoto. Eu ofereci dinheiro para ele uma vez para que fizesse compras para sua família mas ele recusou e disse que se sentiria culpado por aceitar meu dinheiro daquele jeito. Ele aprecia as coisas – no inverno, estava -20 graus e ele tinha apenas uma roupa com capuz, então eu enrolei minha jaqueta em seus braços e disse “tome, garoto, está frio”. Ele encheu os olhos de lágrimas e agradeceu, e eu dei alguma desculpa sobre querer me livrar da jaqueta e disse que ele poderia ficar com ela se ele trouxesse alguns biscoitos a próxima vez que nos visitasse.
Quando o Natal chegou, eu o convidei para a ceia, e quando eu fui buscar ele eu deixei alguns presentes para sua família, e no caminho de volta para minha casa nós tivemos um momento. Ele estava chorando, pois não tinha muito o que dar para nós – ele deu um presente para todos nós em casa mas chorou mesmo assim pois sentiu que não era o suficiente considerando o que eu fiz por ele. Eu encostei o carro, e o abracei, dizendo que não importava o valor do que ele nos dava, mas sim que ele nos deu algo afinal. Eu agradeci ele por tratar minha filha tão bem, e eu disse que ele era sempre bem vindo em nossa casa.
Meu próprio filho não tinha nos dado nada de natal, nem mesmo um cartão ele comprou com o dinheiro que nós demos a ele. Esse garoto deu para minha esposa e a mim taças de vinho que combinavam visto que nós gostamos de dividir uma garrafa de vez em quando.
Meu filho não comeu com a gente. Ele pegou a comida da mesa e correu de volta ao seu quarto sozinho enquanto o namorado de minha filha conhecia minha irmã e sua família, meus pais e meu tio. Todos eles disseram que ele era charmoso e muito educado. Enquanto isso, depois da janta, meu filho disse para meu sobrinho de 5 anos “vaza daqui seu viado” por ter pedido para jogar algum jogo com ele. Um homem de mais de 20 anos.
Semana passada, minha esposa e eu ficamos fora uma tarde toda para aproveitar um tempo a sós. Nós fomos jantar, e então nós fomos para um bar para jogar um pouco de sinuca, e depois para casa.
Quando entrei em casa, os garotos estavam gritando uns com os outros. Eu corri e vi meu filho e o namorado de minha filha brigando. O namorado estava apenas empurrando e tentando redirecionar meu filho, meu filho estava socando e investindo contra ele. Minha filha estava chorando e sentada encostada à parede escondendo seu rosto. Eu entrei no meio deles e os separei, demandando uma explicação.
Meu filho começou um barraco falando sobre como ele achou anticoncepcionais e ouviu sons de “putaria” vindo de dentro do quarto dela, então ele arrombou a porta e encontrou eles transando, disse que não acreditava que sua irmã era uma “puta de um preto” e chamou o pobre coitado de macaco e outras coisas.Minha esposa levou minha filha e seu namorado para longe dali. Eu gritei com meu filho pelos seus atos. Eu não consegui chegar a lugar nenhum com ele então fiz ele esperar em seu quarto. Eu fui falar com minha filha. Pedi desculpas para seu namorado, chorando enquanto eu o fazia, dizendo que eu esperava que ele me perdoasse por deixar isso acontecer. Ele disse que ele estava arrependido de ter ficado violento, mas disse que só ficou pois meu filho bateu em sua namorada. Minha filha chorou e disse que seu irmão era um psicopata e a ameaçou de estupro, e que ele admitiu já ter gozado em sua escova de dentes e de cabelo.
Eu corri para o quarto dele, e disse firmemente que ele tinha que pegar suas coisas e sair. Eu disse que pagaria para ter suas coisas enviadas a ele, para onde ele fosse, mas que ele iria embora amanhã.
Minha esposa ficou na casa das minhas irmãs, e minha filha e seu namorado ficaram na casa dele por algumas noites.
No dia seguinte eu praticamente atirei meu filho para fora de casa enquanto ele gritava e chutava.
Eu tomei sua chave e mudei a senha do alarme e da porta da garagem. Um dia depois eu recebi uma mensagem requisitando que algumas de suas coisas – quase tudo seus jogos – sejam enviadas para um prédio estranho que eu não reconheci a algumas cidades daqui. Um homem aparentemente da idade de colegial tocou a campainha e eu entreguei as coisas a ele. Eu não vi meu filho.
Minha esposa e eu fomos até seu quarto. O namorado da minha filha veio em casa e ajudou a mover os móveis para a garagem. Nós jogamos fora seu colchão e outras coisas nojentas e fedidas, além de retirarmos e substituirmos o carpete.
Escondido em seu armário estava um monte de calcinhas da minha filha, tão saturadas com bolor e sêmen velho que estavam tão duras quanto tijolos. Talvez a pior parte seja que existiam algumas que minha filha jurava não ser dela, além de serem pequenas demais para serem da minha esposa. É possível que ele tenha roubado de minhas sobrinhas.
Tinha até mesmo um caderno contendo desenhos explícitos do meu filho estuprando violentamente várias mulheres e mantendo garotas pequenas acorrentadas em algum tipo de “calabouço sexual”. Eu mexi em seu celular antigo que ainda estava funcionando, e todas suas fotos eram screenshots de minhas sobrinhas e suas amigas usando biquínis, muitos pornôs de cartoons, muitos memes de incell, Trump e red pill (red pill, vinda do filme Matrix onde Morpheus oferece uma pílula vermelha para Neo, o fazendo acordar, é um termo na internet usada entre conservadores e apoiadores do Trump para explicar quando uma pessoa acordou de uma vida de doutrinação esquerdista). Ele ainda tinha o messenger, então eu chequei suas mensagens, a maioria delas era apenas ele tentando abusar de mulheres e garotas menores de idade.
Eu dei uma olhada em seu e-mail e, para meu desgosto, ele roubou fotos privadas da minha esposa de seu celular, e estava vendendo elas.
Hoje eu fui até a polícia com tudo que eu tinha e contei tudo que sabia.
Eu dei ao meu garoto tudo... Eu não sei porque ele acabou nesse caminho. Eu sou muito arrependido de ter falhado com ele. Eu não sei o que a polícia fará, mas espero que eles parem ele antes que ele machuque mais alguém.
A coisa mais triste é que, ontem, depois que tudo tinha terminado e acalmado, foi um dia maravilhoso. Um dos dias mais felizes que já tivemos.




É isso, se alguém quiser que eu altere alguma coisa é só falar, os edits são para isso


submitted by Dinohobby to brasilivre [link] [comments]


2018.11.13 03:45 Dinohobby Traduzi o texto famoso do filho incel do r/self "My son is a hateful incel, and I just cannot save him or defend him anymore."

link original pra quem quiser: https://www.reddit.com/self/comments/9vs05k/my_son_is_a_hateful_incel_and_i_just_cannot_save/

Meu garoto, meu filho mais velho, era tão bom quando pequeno, mas algo dentro dele quebrou quando ele era adolescente.
Minha esposa e eu sempre aceitamos, amamos e encorajamos ele. Nós o ensinamos a trabalhar duro e tratar as pessoas com respeito. Eu não sei onde exatamente nós falhamos com ele, mas como um pai eu me sinto responsável pelo que ele se tornou.
Começou quando ele tinha 14 anos. Ele tinha começado a se tornar recluso e emocional. Nós julgamos que era apenas as alterações de humor da adolescência. Por algum motivo ele era irritadiço e amargo o tempo todo. Nós estávamos preocupados com sua falta de vida social e sua dependência de seu computador. Ele meio que se escondia no mundo online então eu e minha esposa começamos a limitar seu tempo no computador, mas isso só o tornou mais agressivo e confrontador.
Sua higiene era ruim, e ele sempre nos confrontava quando pedíamos para que tomasse um banho ou lavasse suas roupas. Seu quarto fedia e eventualmente tivemos uma grande briga quanto a isso, onde ele acabou empurrando minha mulher e xingando-a de vadia. Finalmente conseguimos o fazer limpar e deixar entrar ar em seu quarto regularmente, justificando que a casa era nossa e que se ele não conseguia manter seu espaço em dia então não teria direito a tê-lo – essencialmente chegamos ao ponto em que nós dissemos a ele que não teria posse de suas coisas nem privacidade a menos que cuidasse do espaço que todos nós dividimos. O quarto ainda tinha um cheiro terrível e ele continuava sendo rude quanto a limpeza, mas ao menos nós podíamos falar para ele limpar e ele o faria.
Nós acabamos recebendo uma ligação de sua escola dizendo que uma estudante se sentia abusada por ele. Nos mostraram mensagens onde ele continuava repetindo para ela transar com ele, ameaçando “punir” ela por ter um relacionamento com ele sem querer fazer isso, enviando nudes para ela contra a vontade dela, contando suas fantasias violentas e eventualmente se rebaixando para reclamações horríveis cheias de ódio sobre como ela era apenas mais uma “vadia” e outras coisas.
Nós ficamos chocados. Nós explicamos para ele o porquê desse comportamento ser inaceitável, e eu disse que não havia problema em ser sexualmente ativo, mas que suas ações eram tóxicas e abusivas.
Eu tentei orienta-lo de homem para homem, levando ele para viagens de acampamento e coisas parecidas, além de falar com ele sobre garotas e mulheres e tentando dar dicas para ele. Eu sugeri para ele que tentasse tomar banho, mudasse o estilo de seu cabelo e pelos faciais, experimentasse roupas diferentes e talvez começasse a ir a uma academia.
Contei a eles algumas verdades doidas – que se ele não quer uma mulher nojenta ele não deve ser um homem nojento. Com homem nojento eu quis dizer higiene e aparência. Expliquei para ele que uma boa aparência é mais higiene e cuidado próprio que genética mas ele se recusou a aceitar o que eu disse.
Depois disso eu o peguei fungando as calcinhas de sua irmã na lavanderia – ele tinha 17 anos na época, e sua irmã 12 – ele me assegurou que isso não tinha nada a ver com sua irmã, e disse que ele apenas tinha um fetiche por cheirar calcinhas e que ele fingia que elas eram de garotas de vídeos pornô, mas ainda assim o fiz sentir o inferno por isso, deixando ele de castigo e sem seu computador por 6 meses. Eu acabei dando uma olhada em seu computador e fiquei enojado com os forums odiáveis, racistas e de incels (celibatários involuntários, homens que não conseguem ter relações sexuais e amorosas e culpam as mulheres e os homens sexualmente ativos por isso) que ele frequentava, as coisas horríveis que ele falava sobre mulheres, e arquivos salvos com pornô de desenhos com garotas de idade duvidável. Eu limpei o HD por completo e comecei a monitorar estritamente sua atividade online. Eu usei filtros parentais para bloquear sites de incels e pornôs que possuíam pornografia cartoonizada.
O próximo grande problema foi algo que ele fez com a amiga de minha filha. Minha filha é cinco anos mais nova que ele, e um dia depois de uma amiga dela ter vindo dormir em casa minha filha veio até mim e disse que essa amiga queria contar algo para mim mas estava com medo do que eu poderia falar.
Meu filho encurralou essa garota de 13 anos e fisicamente bloqueou o caminho, tocou seu cabelo e rosto enquanto fazia comentários inapropriados sobre seu corpo e perguntando se ela gostava de dormir nua e que tipo de roupas intima ela usava.
Eu rasguei com meu filho por isso, eu e minha esposa gritamos com ele, e dissemos que seu comportamento era horrível e falei que se seus atos o fizessem ser preso, eu não iria defendê-lo. Ele nos acusou de não ama-lo, mas eu disse que a razão para eu estar tão bravo com ele naquela situação era exatamente porque eu o amava, e que eu queria ajudar ele a se tornar um bom homem para que ele parasse de ser predatório, amargo e miserável. Eu contei algumas verdades duras. Que ele fez tudo isso a si mesmo e que ele é o único que ele pode culpar pelo quão amargo ele é.
Eu sugeri que ele procurasse por mulheres de sua idade e ele acabou reclamando que isso era uma perda de tempo pois mulheres já eram putas (e sua definição de puta é uma mulher que não é virgem) aos 17 anos. Eu chamei sua atenção por conta dessa merdalhada que ele disse e demonstrei claramente que se ele abusasse novamente de alguma garota jovem eu mesmo o denunciaria.
Eu convidei a amiga da minha irmã para vir em casa depois disso e pessoalmente pedi desculpas pelo ocorrido, eu chorei de vergonha pelo comportamento do meu filho e implorei por perdão por permitir que ela se sinta insegura em minha residência, além de prometer a ela que se ela a qualquer momento se sentisse desconfortável ela poderia vir até minha esposa e eu e nós sempre acreditaríamos e ajudaríamos ela. Por sorte, minha filha não perdeu essa amiga, mas por segurança eu instalei uma fechadura na porta de seu quarto.
Nós conseguimos uma terapia para meu filho mas ele se recusou a entrar em contato com o terapeuta, chamando ele de “árabe escroto”, “pajeet” e “terrorista”. Seu próximo terapeuta era um “chad” (chad, na cultura da internet, é um pau no cu estereotipado, com um ego do tamanho de um planeta que precisa de um chute no queixo, normalmente considerado o “babaca que elas correm atrás”) e portanto também não conseguir ir com a cara dele.
Nós brigamos com ele por não tentar, não conseguir um emprego e ele disse que não conseguia um por conta dos imigrantes, e eu acabei apontando que ele estava tendo dificuldades pois ele foi demitido de seus trabalhos do colégio por ser preguiçoso.
Depois dessas brigas, minha esposa tentou empatizar com ele e entender o que o tornou tão amargo, mas ele se virou contra ela, chamando ela de uma puta devoradora de rolas e disse que ela “fodeu” seu caminho por dezenas de homens até que ela encontrou um “viado beta” que estava disposto a dar um lar para ela em troca de sexo missionário.
Minha esposa, que trabalha e ajuda na renda familiar, que é uma mulher independente e profissional.
Honestamente eu perdi a mente nisso mais do que nunca. Eu nunca havia ficado tão bravo quanto quando eu ouvi o que ele disse. Ela pode ser a mãe dele, ele pode ser meu filho, mas a mulher que ele estava xingando e acabando era a porra da minha esposa. Ninguém fala assim da minha esposa.
Eu estou envergonhado de dizer que no meio da minha fúria ele me empurrou e eu retaliei fisicamente, empurrando ele de volta e colando ele na parede. Eu senti vergonha de mim mesmo. Eu nunca fui uma pessoa brava ou violenta, mas eu não pude me controlar. Eu nunca havia colocado minhas mãos em qualquer um dos meus filhos daquela forma em toda minha vida, eu odeio quem abusa de suas próprias crianças, mas esse garoto não era nenhuma criança. Ele era um homem crescido.
Ele ficou intimidado e recuou, e por um tempo ele ficou pacífico.
A gota d’água aconteceu essa semana.
Minha filha ficou com três pessoas em sua vida toda. Um garoto, uma garota e agora outro garoto. Nós sempre fomos abertos quanto a sexo com minha filha do mesmo jeito que éramos com meu filho. Nós perguntamos se ela gostaria de ter um estoque regular e sem questionamento de preservativos em sua gaveta no banheiro, e se ela gostaria de tomar anticoncepcionais. Ela disse não para as duas perguntas com seu primeiro namorado. Ela nunca o trouxe para casa, mas chegamos a encontrar ele uma vez em um de seus recitais. Quando ela teve uma namorada ela ia para a casa dela direto, e não queria trazer ela para a mesma casa que seu irmão morava, um sentimento que eu entendia.
Mas seu mais recente namorado tinha muita coisa acontecendo por trás em sua família. Ele é um bom garoto mas sua mãe é uma mãe solteira de quatro filhos e sofria bastante por isso.
Esse garoto começou a frequentar nossa casa mais ou menos um mês depois deles se juntarem. Eu gosto dele, minha filha é feliz com ele, ele trata ela com respeito, é inteligente e um absoluto cavalheiro. Ele é respeitoso e educado em nossa casa, ele me chama de senhor, minha esposa de madame e oferece ajuda para cozinhar e lavar a louça ou até mesmo limpar a casa quando ele visita. Ele conversa com a gente, é meio que um cozinheiro amador e trás comida para nós o tempo todo para agradecer os nossos cuidados a ele. Quando nós saímos para jantar ele sempre oferece pagar para ele e minha filha (mas eu sei que ele não tem muito dinheiro então eu pago para ele). Quando saímos do carro ele sempre abre a porta para minha esposa e oferece a mão dele para ajudar ela a descer. Ele segura as portas, quando saímos para algum lugar ele ajuda minha filha a colocar a jaqueta como naqueles casais doces e tradicionais.
Esse jovem trabalha duro, e dá o pouco que tem para sua mãe e irmãos. Como eu disse, eu realmente respeito o garoto. Eu ofereci dinheiro para ele uma vez para que fizesse compras para sua família mas ele recusou e disse que se sentiria culpado por aceitar meu dinheiro daquele jeito. Ele aprecia as coisas – no inverno, estava -20 graus e ele tinha apenas uma roupa com capuz, então eu enrolei minha jaqueta em seus braços e disse “tome, garoto, está frio”. Ele encheu os olhos de lágrimas e agradeceu, e eu dei alguma desculpa sobre querer me livrar da jaqueta e disse que ele poderia ficar com ela se ele trouxesse alguns biscoitos a próxima vez que nos visitasse.
Quando o Natal chegou, eu o convidei para a ceia, e quando eu fui buscar ele eu deixei alguns presentes para sua família, e no caminho de volta para minha casa nós tivemos um momento. Ele estava chorando, pois não tinha muito o que dar para nós – ele deu um presente para todos nós em casa mas chorou mesmo assim pois sentiu que não era o suficiente considerando o que eu fiz por ele. Eu encostei o carro, e o abracei, dizendo que não importava o valor do que ele nos dava, mas sim que ele nos deu algo afinal. Eu agradeci ele por tratar minha filha tão bem, e eu disse que ele era sempre bem vindo em nossa casa.
Meu próprio filho não tinha nos dado nada de natal, nem mesmo um cartão ele comprou com o dinheiro que nós demos a ele. Esse garoto deu para minha esposa e a mim taças de vinho que combinavam visto que nós gostamos de dividir uma garrafa de vez em quando.
Meu filho não comeu com a gente. Ele pegou a comida da mesa e correu de volta ao seu quarto sozinho enquanto o namorado de minha filha conhecia minha irmã e sua família, meus pais e meu tio. Todos eles disseram que ele era charmoso e muito educado. Enquanto isso, depois da janta, meu filho disse para meu sobrinho de 5 anos “vaza daqui seu viado” por ter pedido para jogar algum jogo com ele. Um homem de mais de 20 anos.
Semana passada, minha esposa e eu ficamos fora uma tarde toda para aproveitar um tempo a sós. Nós fomos jantar, e então nós fomos para um bar para jogar um pouco de sinuca, e depois para casa.
Quando entrei em casa, os garotos estavam gritando uns com os outros. Eu corri e vi meu filho e o namorado de minha filha brigando. O namorado estava apenas empurrando e tentando redirecionar meu filho, meu filho estava socando e investindo contra ele. Minha filha estava chorando e sentada encostada à parede escondendo seu rosto. Eu entrei no meio deles e os separei, demandando uma explicação.
Meu filho começou um barraco falando sobre como ele achou anticoncepcionais e ouviu sons de “putaria” vindo de dentro do quarto dela, então ele arrombou a porta e encontrou eles transando, disse que não acreditava que sua irmã era uma “puta de um preto” e chamou o pobre coitado de macaco e outras coisas.Minha esposa levou minha filha e seu namorado para longe dali. Eu gritei com meu filho pelos seus atos. Eu não consegui chegar a lugar nenhum com ele então fiz ele esperar em seu quarto. Eu fui falar com minha filha. Pedi desculpas para seu namorado, chorando enquanto eu o fazia, dizendo que eu esperava que ele me perdoasse por deixar isso acontecer. Ele disse que ele estava arrependido de ter ficado violento, mas disse que só ficou pois meu filho bateu em sua namorada. Minha filha chorou e disse que seu irmão era um psicopata e a ameaçou de estupro, e que ele admitiu já ter gozado em sua escova de dentes e de cabelo.
Eu corri para o quarto dele, e disse firmemente que ele tinha que pegar suas coisas e sair. Eu disse que pagaria para ter suas coisas enviadas a ele, para onde ele fosse, mas que ele iria embora amanhã.
Minha esposa ficou na casa das minhas irmãs, e minha filha e seu namorado ficaram na casa dele por algumas noites.
No dia seguinte eu praticamente atirei meu filho para fora de casa enquanto ele gritava e chutava.
Eu tomei sua chave e mudei a senha do alarme e da porta da garagem. Um dia depois eu recebi uma mensagem requisitando que algumas de suas coisas – quase tudo seus jogos – sejam enviadas para um prédio estranho que eu não reconheci a algumas cidades daqui. Um homem aparentemente da idade de colegial tocou a campainha e eu entreguei as coisas a ele. Eu não vi meu filho.
Minha esposa e eu fomos até seu quarto. O namorado da minha filha veio em casa e ajudou a mover os móveis para a garagem. Nós jogamos fora seu colchão e outras coisas nojentas e fedidas, além de retirarmos e substituirmos o carpete.
Escondido em seu armário estava um monte de calcinhas da minha filha, tão saturadas com bolor e sêmen velho que estavam tão duras quanto tijolos. Talvez a pior parte seja que existiam algumas que minha filha jurava não ser dela, além de serem pequenas demais para serem da minha esposa. É possível que ele tenha roubado de minhas sobrinhas.
Tinha até mesmo um caderno contendo desenhos explícitos do meu filho estuprando violentamente várias mulheres e mantendo garotas pequenas acorrentadas em algum tipo de “calabouço sexual”. Eu mexi em seu celular antigo que ainda estava funcionando, e todas suas fotos eram screenshots de minhas sobrinhas e suas amigas usando biquínis, muitos pornôs de cartoons, muitos memes de incell, Trump e red pill (red pill, vinda do filme Matrix onde Morpheus oferece uma pílula vermelha para Neo, o fazendo acordar, é um termo na internet usada entre conservadores e apoiadores do Trump para explicar quando uma pessoa acordou de uma vida de doutrinação esquerdista). Ele ainda tinha o messenger, então eu chequei suas mensagens, a maioria delas era apenas ele tentando abusar de mulheres e garotas menores de idade.
Eu dei uma olhada em seu e-mail e, para meu desgosto, ele roubou fotos privadas da minha esposa de seu celular, e estava vendendo elas.
Hoje eu fui até a polícia com tudo que eu tinha e contei tudo que sabia.
Eu dei ao meu garoto tudo... Eu não sei porque ele acabou nesse caminho. Eu sou muito arrependido de ter falhado com ele. Eu não sei o que a polícia fará, mas espero que eles parem ele antes que ele machuque mais alguém.
A coisa mais triste é que, ontem, depois que tudo tinha terminado e acalmado, foi um dia maravilhoso. Um dos dias mais felizes que já tivemos.




É isso, se alguém quiser que eu altere alguma coisa é só falar, os edits são para isso


submitted by Dinohobby to brasil [link] [comments]


2018.04.01 00:04 SchrodingersWoman ~Confusx~ sobre meu gênero.

Oi, pessoas.
Long story short, sou um rapaz de 18 anos, hétero, que se identifica como mulher???? É. É a primeira vez que eu escrevo isso, e wow, realmente não sabia que existia um espaço para mim no espectro do arco-íris.
Nos primeiros anos da puberdade, não ia atrás de pornografia. Vestia as roupas da minha irmã e isso me excitava muito. Aprendi a me masturbar com minha própria imagem no espelho. Dos 11 aos 15, minhas sessões de crossdressing foram sempre secretas até que um dia meus pais descobriram.
Aí a casa caiu, porque eles são ultra-transfóbicos (apesar de não fazerem a menor ideia do que esse termo significa e generalizarem tudo como "coisa de viado") e mesmo eu tendo tentado explicar, não adiantou muito. Eu estava louco para eles. Tomaram meu celular, tiraram meu acesso à internet, ameaçaram me chutar de casa, contar pro resto da família... ah, foi uma verdadeira tempestade de bosta. Isso foi há 4 anos atrás.
Nesse meio tempo, tive duas namoradas. A primeira foi um relacionamento extremamente líquido que acabou, bem, acredito que por causa da minha ansiedade. A segunda entrou na minha vida há poucos meses e eu a amo com todas as minhas forças.
Meus pais, pelo visto, esqueceram. Nunca mencionaram a vergonha de novo, e acho que consideram ter sido "só uma fase."
Pois bem, na última semana, voltei com o velho hábito (crossdressing) depois de descobrir comunidades trans aqui no reddit, especialmente a transtimelines que me influenciou muito a repensar sobre o que aconteceu há quatro anos atrás. Agora entendo quem eu sou, consigo dar nome às coisas e nenhum desses sentimentos é tão abstrato como era antes.
O problema é que, putz, tem muitos problemas. Fazer a transição significa largar minha família, minha casa (honestamente, não me importaria em não vê-los nunca mais, sem dar desculpas - exceto pelos meus avós -, mas certamente mandariam a polícia atrás de mim). Fora que eu sou homem hétero e tem essa garota que entrou na minha vida que eu não gostaria de perder de forma alguma. Ela não é transfóbica, mas também não é lésbica. Mesmo que eu construa algo estável com ela nos próximos anos, tenho medo d'isso tudo voltar e ser tarde demais. Vi muitos relatos de pessoas que fizeram a transição numa idade mais avançada nesses subreddits, mas não precisa ir tão longe. Aqui temos a Laerte, por exemplo. E isso me fode a cabeça. Preciso escolher entre dois futuros completamente distintos e ambos igualmente arriscados.
O dilema é reconhecer se isso não passa de um fetiche ou se eu realmente quero me tornar uma mulher. Pra mim, há uma linha muito tênue entre as duas coisas.
Preciso de ajuda, vocês aí do arco iro. Contem experiências, deem palpites, tudo o que puderem. Nunca me abri pra ninguém sobre isso e não há lugar melhor para tal do que com estranhos da internet.
SOCROOR
submitted by SchrodingersWoman to arco_iris [link] [comments]


2018.01.05 05:04 blessed_raven Sou viciado em pornografia

Já deveria ter escrito esse post a muito tempo, mas nunca havia juntado coragem suficiente para admitir este meu problema.
Resolvi escrever este post aqui no Reddit porque era um assunto muito penoso para conversar com meus amigos, mesmo aqueles mais íntimos, pois toda as vezes que eu tentava conversar sobre isso a conclusão era de que consumir pornografia é algo completamente normal e saudável. Inclusive eles acabavam sempre por me incentivar a assistir mais.
Com o tempo comecei a me sentir pouco a vontade. Principalmente nos grupos do Whatsapp onde se eram compartilhados alguns vídeos vazado. Eu pensava, se eu não queria que isso acontecesse com alguém que eu me importasse porque eu compartilharia esse vídeo, e se eu não compartilho porque estou aqui nesse grupo consumindo esse tipo de conteúdo?
A partir de então resolvi procurar mais sobre pornografia, saber como ela nos influência, saber qual ligação que existe com prostituição, abusos, pornografia infantil, etc. e de como eu me encaixava nisso tudo.
Então encontrei o /NoFap. E depois de ler um pouco mais e assistir algumas palestras em vídeo, resolvi tentar passar 30 dias sem consumir pornografia. Lá eles usam um termo chamado No PMO, onde PMO significa Pornografia, Masturbação e Orgasmo.
Foi muito difícil para mim no início, todos os dias eu tinha vários gatilhos, dos mais diversos locais, para ir para o meu notebook e começar o trabalho. E aí que percebi como eu já estava habituado e como isso já tinha afetado e afeta minha vida.
Já vi dia virar noite e noite virar dia, já deixei de sair com amigos, já deixei de fazer trabalhos, já me atrasei em encontros e já neguei sexo.
Noites mal dormidas, falta de concentração e depressão são sintomas que me assolam.
Meu relacionamento com minha namorada já não é o mesmo de antes, sempre fui um cara carinhoso/romântico e hoje não sou nem sombra do que eu era. Hoje eu sou um cara obsessivo, ciumento e inseguro.
Muita vezes me pego com pensamentos grosseiros e arrogantes sobre as mulheres, as tratando com desprezo, as tratando como se fossem objetos, até cair na real e fugir desses pensamentos.
Quando o assunto é sexo, eu continuo o fazendo e me satisfazendo assim como satisfaço minha parceira também, porém meu comportamento é muito mais agressivo e violento e acabo colocando-a em posição de humilhação. Percebo o quanto isso a incomoda e a amedronta também.
Enfim, enquanto isso era algo que me prejudicava eu ia sempre mentindo para mim e empurrando com a barriga, porém é muito arrogante achar que essas coisas somente nos afetam. Eu tenho namorada, família, amigos e pessoas que se importam comigo e não posso mais me afastar deles ou prejudica-los de alguma forma. Estou decidido a mudar de vida e a abandonar este hábito.
Gostaria de nunca ter conhecido esse mundo, mas se eu for olhar um pouco para atrás é praticamente impossível não o tê-lo conhecido e não caminhar junto a ele, pois conheci a pornografia aos 12 anos e esse consumo só aumentou com o avanço da tecnologia e industria pornográfica. Me preocupo com meus sobrinhos, pois quando eu tinha 12 para ver um par de peitos a gente tinha que ir na banca comprar uma Playboy, o mais próximo de vídeo na internet era esperar meia hora para carregar um GIF. Já para a molecada de hoje eu nem preciso falar o que eles podem acessar em minutos.
PS.: Não me entendam mal, eu não tenho nada contra as pessoas que tem seus grupos de putaria, ou assistem pornografia. Não vou ficar tentando convence-las disso ou aquilo. Eu só decidi que não quero mais isso pra minha vida e que não quero fomentar esse tipo de entretenimento.
[Edit1] Só corrigindo alguns erros de portugês
[Edit2] palestras em vídeo que me ajudaram a ter uma percepção diferente sobre a pornografia:
submitted by blessed_raven to desabafos [link] [comments]


2018.01.03 15:22 cebastiao Estou decepcionado com as pessoas

Desde de muito tempo eu recebo críticas sobre meus gostos e modo de vida. Eu tenho um emprego que me proporciona uma vida em um apartamento de frente à praia na cidade onde vivo, porém eu moro em uma casa num suburbio, não possuo carro nem moto, ando de bike e meus móveis em casa são quase todos montados por mim e meu pai. Tenho 25 anos e vivo basicamente com pouco menos de 30% de todo meu salário e tenho uma vida extremamente simples. Pago por uma internet compartilhada do vizinho, planto boa parte das verduras que consumo, não tenho TV, e só utilizo o computador para trabalhos e alguns poucos minutos de lazer (meu lazer online é o reddit). Não tenho nenhuma rede social e poucas informações online devido um concurso que fiz (meu atual emprego).
Esse estilo de vida não foi opicional. Não foi algo que eu decidi que iria ser assim, foi herança dos meus pais que decidiram em algum momento da vida dele que gostaria de ser mais hands-on e menos consumistas. Eu vivo com isso no automático, e nunca tinha percebido que isso era diferente até eu perceber que no meu trabalho, faculdade e na mesa do bar eu era o diferente. Eu era o zuado, o criticado, o mesquinho, mão de vaca, quando na verdade eu apenas não conseguia entender a necessidades das coisas como as outras pessoas entendiam normalmente. As pessoas pensam que isso é mesquinhagem minha, não sair toda sexta com o pessoal do trampo, não querer pagar pela festa de formatura (um anel de fukings 2 mil reais), de não dar presentes no fim do ano, não participar de amigo qualquer coisa. Embora eu tenha uma boa relação com as pessoas, possuo amigos e sou extremamente social, ainda sim sou discriminado e julgado pelo modo de vida que fui educado e não é simples deixar de ser assim. Eu gostaria de ser mais aberto as coisas de um modo em geral. Sair direto, comprar coisas, morar bem, ter um carro, mas eu ando travando ao buscar essas coisas, minha conciência pesa por saber que não preciso, pensei em comprar um TV pois minha namorada reclama as vezes que é ruim assistir coisas no monitor de 17 que fica no notebook (mas é raro ficarmos em casa, então ficaria ali parado desligado na mior parte do tempo), pensei em comprar um carro pra ficar mais fácil me locomover pois as vezes demoro pra chegar em alguns encontros com amigos e fico dependendo de alguém me dar carona ou ter que pegar um uber (mas olha o preço da gasolina, preço por ano pra se ter um carro, mesmo parado estou tendo custo). Em fim, eu tenho um pouco de medo de dar um passo adiante nisso e me sentir infeliz. Eu sou bastante feliz na maior parte do tempo pois poucas coisas me abalam. Como não tenho TV e nem costume de ler jonais, não fico sabendo muito das merdas loucas que acontecem todo os dias, logo isso não me afeta, não passo mal com frequência, pois minha alimentação é muito leve e a maior parte dela vem do meu quintal, logo sei o que consumo. Em fim, eu tive muitas namoradas e nenhuma delas aguentou meu jeito de viver, apenas essa última que está comigo há uns 03 anos que parece ter se adaptado e ao que parece é o que quer pra vida dela também. Bom, eu gasto meu dinheiro basicamente com viajens. Conheço meu estado todo de canto a canto, conhelo o sudeste do brasil praticamente todo e estou planejanto em 2019 "casar" e mochilar por um ano pelo mundo (se eu conseguir a exoneração no serviço) e a grana fica numa corretora que minha irmã trabalha, tenho alguns investimentos que servirão pra me manter enquanto estiver mochilando. E é isso, estou decepcionado com as pessoas por que muitas delas apontam o dedo pra mim e me chamam de mão de vaca, mesquinho, judeu, pão duro, miserável e etc como se eu fosse obrigado a ter uma vida direcionada à coisas materiais só por que tenho um salário relativamente alto. Em fim, era isso, precisava desabafar.

Edit: 1) Agradeço a todos pelas palavras, conselhos e dicas, de verdade pessoal, muito obrigado, vocês são ótimos protótipos de psicanalistas haha. 2) Que vocês e a língua portuguesa me perdoem, eu digitei tudo pelo celular e não coloquei parágrafo e cometi muitos erros de ortografia, meu celular é pequeno, aperto duas teclas com o dedão, as vezes fico sem paciência pra digitar certinho. 3) As vezes quando o mundo não se adapta a nós, precisamos (por conveniência) nos adaptarmos a ele, nem que seja um pouquinho. E tenho tentado fazer isso sem deixar meus princípios de lado, então o que estou tentando é encontrar um equilíbrio entre essas coisas. 4) Agradeço meus pais por eu ter me tornado uma pessoa de gosto simples. Meu pai sempre me dizia que se você reparar bem, mas pessoas bem sucedidas (veja que eu disse bem sucedidas, não ricas) tem, em sua grande maioria, gostos simples. Eu tive uma educação regada a livros e hábitos simples, só ganhava presentes quando era algo que eu precisava, se eu fizesse aniversário e tivesse roupas boas aindas, era apenas um passeio na praia e pronto. Então essas coisas são normais pra mim, e de pouco tempo pra cá que percebo que isso pode não ser normal pra outras pessoas, por isso preciso me adaptar ao meio para não ser julgado.
Obrigado a todos, abraço pra vocês. Vocês são incríveis, sério!
submitted by cebastiao to brasil [link] [comments]


2017.12.01 17:27 tombombadil_uk Quantos de vocês já estão/estiveram/conhecem alguém em um relacionamento abusivo? Já tentaram dar um toque nessa pessoa?

Depois de compartilhar com vocês a história que vivi com essa menina que reencontrei (link aqui) depois de 12 anos, outro assunto ficou aqui na minha cabeça e quis compartilhar com vocês: relacionamentos abusivos. Quantos de vocês passaram, passam ou conhecem alguém que passe por isso?
Eu não sei quantos de vocês aqui já passaram por algo do tipo. Mas essa conversa com a menina que reencontrei, na qual falei sobre as experiências que passei aqueles quatro anos com um relacionamento extremamente tenso. Foi um momento tão traumático da minha vida que eu nem gosto de pensar muito nele, mas essas três semanas relembrando daquela época e a conversa que tive essa semana me fez perceber várias coisas.
Olhando agora, todo esse tempo depois, muito disso soa absurdo e não acredito que me sujeitei a tanto, que perdi tanto da minha vida. Especialmente amigos nessa época tão gostosa que é entre 18~22 anos.
Fica aqui um desabafo sobre o assunto, solidariedade a quem também já passou por isso e possivelmente ligar o alerta para quem pode estar vivendo uma situação dessas. Ninguém é tão bom a ponto de você abrir mão de tudo na sua vida - família e amigos - para poder ficar com aquela pessoa. Você jamais vai ser tão ruim a ponto daquela pessoa "ser a única que vai aturar você" na sua vida.
Se você acha que está vivendo um relacionamento estranho, senta e conversa com um amigo ou amiga. Pede ajuda. Passar por esse perrengue foi bem traumatizante e eu demorei uns dois anos depois do relacionamento para me recuperar completamente. De certa forma, isso me amadureceu MUITO. Mas, ao mesmo tempo, eu gostaria de ter percebido mais cedo o que eu estava vivendo com ela para aproveitar melhor aquela época.
submitted by tombombadil_uk to brasil [link] [comments]


2017.03.02 11:57 querosaltarlheemcima Mais uma vez recorro da vossa sabedoria no que toca aos casos amorosos deste vosso amigo

Boas pessoal do reddit,
ora alguns de vocês poderão recordar-se de mim de outros posts, nomeadamente de um post em que descrevia a minha dificuldade em transformar uma amizade com uma rapariga em algo mais.
Pois é, as coisas desenvolveram-se normalmente e temo-nos dado bastante bem apesar das vidas agitadas e dos horários complicados.
Sinto-me um romantico, mas a rapariga vale a pena.
Ora agora apresento-vos a duvida que me trouxe até vós.
Ela é uma rapariga simples e costumamos sair bastante e passear bastante.
Hoje ela convidou-me para jantar e deu-me a hint de que secalhar eu devia chegar-me a frente e pagar o jantar, que seria algo bonito. (não desta forma directa claro, mas eu não ando aqui a comer gelados com a testa).
Ora a minha questão aqui prende-se com o se eu o devia fazer ou não...
Acho que se o fizer vou estar a abrir um precedente que não vou querer perpetuar. (foda-se foi bonita esta linguagem).
Não me importo de o fazer, mas penso que ainda é demasiado cedo para ter esse tipo de gesto.
Sei que muitos dos redpills desta vida vão ter uma opinião radical e demasiado dramática, mas gostaria de ter uma opinião do pessoal mais sensato e tambem com mais experiencia na coisa.
Pagar ou não coisas a namoradas, qual a vossa opinião?
Um abraço deste vosso amigo que lhe saltou em cima ¯_(ツ)_/¯
submitted by querosaltarlheemcima to portugal [link] [comments]